domingo, 31 de maio de 2009

Cenas de loiras tontas #1

Própria


Ovelhas

sábado, 30 de maio de 2009

Música da semana: Terminator TSCC com Garbage

E porque não vamos ter mais Terminator TSCC, dedico "à memória da série" uma canção dos Garbage, que é somente a ex-banda de Shirley Manson, cantora que se tornou actriz com esta série (e que teve um desempenho muito interessante).


"I am weak, but I am strong...
and I can use my tears to bring you home.
" in Milk (Garbage)



Quem viu o final da série perceberá que a canção encaixa bem nos sentimentos do jovem John Connor pela sua ciborgue Cameron, que é "terminada" e destituída do seu chip.
Ao mesmo tempo a "sua máquina" desenvolveu também amor por ele, chegando a sentir ciúmes por Riley, a namorada de Connor...

Talvez John Connor quando vai parar ao futuro e a vê ainda humana, se recorde do seu ciborgue (feito á imagem da humana) e pense em a refazer...


Garbage - Milk
(aqui na magnifica versão remix de Tricky, que deu um novo brilho á canção ao remetê-la para o estilo trip-hop. Tricky assinaria ainda uma versão na qual acrescentou a sua voz no seu estilo muito peculiar de fazer duetos.)



Duas Terminators da série: Shirley Manson e Summer Glau

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Capa da New Yorker feita num iPhone!!!


Está magnifica a arte desenviolvida para a capa da edição de Junho da New Yorker.
É que até nem tem ar de pintura digital sequer.

Mas a realidade é que a pintura foi totalmente desenvolvida digitalmente com um iPhone 3G, pelo ilustrador da revista americana, o Sr. Jorge Colombo, sim é um português, usando unicamente as pontas dos seus dedos e aplicação "Brushes" do seu iPhone.
Uma aplicação que custa apenas 5$...

Fantástico!


Fonte: LoopRumors

Gripe suína: quando acabarem as mascaras...

Se não existirem máscaras para todos improvisem...


Acabou de vez "Terminator: The Sarah Connor Chronicles"

A série "Terminator: The Sarah Connor Chronicles", teve duas temporadas e não vai mais ser renovada -foi oficialmente cancelada.
É uma pena pois a série terminou num ponto muito interessante da narrativa.


A série deu uma nova abordagem ao nível psicológico e motivacional das personagens chave da saga Terminator.
Terminator teve nos dois primeiros bons filmes, um conceito muito interessante da visão futura da humanidade que vive em guerra com as máquinas e a tecnologia. O Terminator 3, foi algo fraco e o 4ª que aí vem em Junho, suspeito que irá pelo mesmo caminho.
Enquanto isso a série, acabou por ser refrescante por ter uma abordagem diferente, onde existe menos acção e mais dilemas pessoais em pessoas que terão de fazer algo para evitar um futuro que já sabem ser negro demais.



A série estabeleceu múltiplos cenários novos, sendo um dos mais interessantes a existência de um terceiro grupo de ciborgues a comandar eles próprios um guerra contra a Skynet. Não própriamente ao lado de John Connor e a sua resistência, que nestaa série e em Terminator 2, provou que o próprio John Connor também tem os seus próprios ciborgues com diferente programação.
Outro cenário que ascende de alguns momentos de um certo futuro, dão até a entender que poderá ser John Connor ele mesmo um ciborque e também que o mesmo poderá ter morrido e essa ausência ser colmatada pelos ciborgues, que vão iludindo o povo com supostas novas ordens em nome dele, como se fossem vindas dele.

Mas o cancelamento da serie já andava a pairar há algum tempo...
Eu acho que Terminator TSCC teve dois episódios finais, pois o penúltimo episódio já era realmente um final de a temporada (tinha tudo lá e faria prometer muito para uma seguinte 3ªT). Mas não foi o último... digamos que a série teve um epílogo, um episódio extra.

Assim o episódio que se seguiu acabou por ser um apêndice para a eventualiadade de um final definitivo, de forma a deixar possibilidades em aberto mas deixar um ponto "quase" final interessante. E como era já uma despedida a acção ao estilo dos filmes também esteve presente. A sequência de Cameron a resgatar Sarah Connor da prisão de alta-segurança é fabulosa e de antologia.


É também um bom "quase" final porque se é Sarah Connor quem conta estas crónicas (tal como nos filmes já acontecia e que regressa em Terminator Salvation, o 4ª filme da saga), ao ela ter ficado no passado e John Connor ir no futuro, as "crónicas de Sarah Connor" deixam de existir porque ele não as assiste... logo não as pode contar.
Interessante e muito bem solucionado.



Complexidade temporal...

Até aqui os filmes apenas nos mostraram os ciborgues ou pessoas a serem enviadas do futuro para o nosso tempo. Ou seja percebemos sempre que eles tinham a tecnologia para regressar no tempo. Voltar ao passado e era por aí que Inteligência Artificial estava determinada: regressar ao passado e matar John Connor e a sua mãe.
Fazê-lo sempre no passado para alterar o futuro!



A série além de cumprir com esse principio trouxe um outro pois logo nos primeiros episódios da 1ªT vimos acontecer algo que nunca tinha acontecido nos filmes: Viajar para o futuro!?
Foi com esse salto no tempo que vimos a Sarah Connor e o seu filho, o ainda jovem John Connor, o futuro salvador da humanidade, levados pela ciborgue Cameron, a avançarem no tempo (para 2007?) e por aí se passarem todas as peripécias desta série espantosa.

No final da segunda temporada, o mesmo voltou a acontecer, só que desta vez de uma forma ainda mais complexa.
John Connor é enviado para um futuro, anterior aos das decisões que originaram o Terminator 1, tornando possível a John Connor ver pela primeira vez o seu pai e reencontre o tio (que havia morrido no tempo de onde John Connor veio).

O problema é que ambos não o conhecem pois apartir do momento em que ele avançou no futuro, o seu eu do futuro deixou de existir e ninguém o conhece.

É aqui neste ponto, do paradoxo temporal, que achei muito bem pensada a premissa final da série, pois normalmente acontece de vermos viajens no tempo em que alguém vê o seu eu nesse futuro. Se pensarmos bem acaba por ter mais lógica o conceito usado em Terminator TSCC e é por esse prisma que fiquei com pena de ver a série a ser cancelada. Ao se avançar a linha temporal para um futuro, o futuro dessa pessoa deixa de existir lá.
Tal como em Lost/Perdidos se explicou, o "nosso" tempo é uma linha recta pessoal. Quando a pessoa salta no tempo, continua a viver em linha recta, apesar de estar numa nova timeline.
Assim, filmes como "Regresso ao Futuro 2" nunca poderiam estar correctos ao terem a conviver duas versões do mesmo "eu" num tempo igual...

Esta viagem para o futuro criou novos paradoxos temporais, ao mesmo tempo que me deu a entender porque razão nunca chegou um John Connor do futuro nos filmes de Terminator: ele é a chave do futuro mas se viajar no tempo cria novos paradoxos colocando em causa a sua própria natureza existencial.
É por isso que ele envia outros nas viagens no tempo!

O que aconteceria se John Connor fizesse viagens no tempo para o futuro?
Tinham aqui uma excelente premissa e conceitos para continuarem a explorar esta saga. Até porque a série foi muito mais longe do qualquer filme conseguirá ir em apenas 2 horas...
É por tudo isso que esta série, que se revelou maravilhosa, vai dar suadades.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Final da Liga dos Campeões 2008-2009



Aqui há uns dias atrás, confessava o Sr. Pinto da Costa ao jornal Público que torcia pelo Barcelona e que os golos de Ronaldo... dariam prazer se fossem marcadas pela Selecção Nacional.

E realmente quem ganhou foi o Barcelona!
Por 2:0 ao Manchester United, onde Ronaldo não marcou nenhum golo a 35 metros... ou a 35 cms.

Houve pouco Messi e muito Barcelona.
Houve mais Ronaldo e pouco Manchester.

Sinceramente, depois dessa personagem pimbazeca do CR7 ter expressado prazer em marcar golos ao FC Porto, que também tinha enorme prazer em ver o Barcelona ganhar.
E ganharam. Muito bem!

Enfim... no final o mais gostoso foi ver a tromba dele.
Aquela de quem está bem fod... lixado da vida!
Toma lá!!!

Só não acho bem o Ronaldo se virar com culpas para o treinador...


Agora o próximo melhor do mundo vai ser quase automaticamente o Messi, que também merece.

Outro gosto foi também o Marketing da Reebok, para esta final da Liga dos Campeões, cheio de material Apple (iPhone 3G e Macbooks)

Andam nas nossas salas de cinema (desde 28Maio09): Zack e Miri, Deixa-me entrar,...

Esta semana mais uns quantos filmes em estreia:

Deixa-me Entrar / Låt den rätte komma in (ou... Let The Right One In)
Traidor / Traitor
Zack e Miri Fazem um Porno / Zack and Miri Make a Porno
Flame & Citron - Os Resistentes / Flammen & Citronen
O Último Condenado à Morte (Português!)
Histórias de Caçadeiras / Shotgun Stories
As Minhas Estrelas / Mes Stars et Moi



A comédia "Zack and Miri Make a Porno" parece a mais interessante proposta.



Normalmente os filmes em que participam o actor Seth Rogen são sempre porreiros. O elenco é composto ainda por Elizabeth Banks, Craig Robinson, Jason Mewes e Traci Lords. A realização e argumento é do mitico Kevin Smith.

De lembrar ainda que este filme por ter um título como tem, sofreu censura até pelos posters.

Sinopse: Amigos desde sempre, Zack e Miri vivem juntos mas nunca se envolveram romanticamente. Até que, soterrados em dívidas, sem água e electricidade, têm uma ideia genial de como fazer algum dinheiro extra: um filme pornográfico, com os dois como co-protagonistas. Zack escreve o argumento e os dois, com a ajuda dos amigos, começam a recrutar estrelas do porno. E, no fim, Zack e Miri arriscam-se a perceber que o que sentem um pelo outro é mais profundo do que imaginavam.



E sim... já se encontra nos locais do costume na net...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Portfolio Night 7 Lisboa: evento de apresentação de portfolios de publicidade do mundo


A 7º Edição de Portfolio Night chega a Portugal pela primeira vez através da Leo Burnett.


Reunir o melhor da indústria portuguesa de publicidade é o que promete a Leo Burnett que organiza no próximo dia 4 de Junho a primeira edição portuguesa do Portfolio Night, o maior evento de apresentação de portfolios de publicidade do mundo.

Neste dia os estudantes e estagiários têm a oportunidade de serem avaliados pelos melhores profissionais criativos do seu país.

Todo o evento funciona como uma dança das cadeiras:
- os directores criativos ficam sentados em diversas mesas e, aleatoriamente, os jovens criativos são indicados a sentarem-se com um deles por 15 minutos para apresentarem os seus trabalhos;
- terminado estes 15 minutos da primeira rodada, os jovens criativos são indicados para outra mesa, com outro director criativo, por mais 15 minutos; após se apresentarem ficam com mais uma oportunidade de apresentar o seu portfolio.

No total cada pessoa tem direito a 45min.


As inscrições para o maior evento de apresentação de portfolios de publicidade do mundo estão disponíveis em www.portfolionight.com.

"Opps"... um jogo português para iPhone

O iPhone já pode contar com um jogo feito por um português, Fernando Pereira.
Aliás, este programador tem até mais que um jogo na AppStore...



Conforme informa no i-online: "A yellowapp.mobi é a agência criativa responsável pelo primeiro jogo desenvolvido em Portugal para o iPhone/iPod Touch.

Esta agência criativa portuguesa, na área digital, denominou este jogo com o nome de “opps! Artists edition”. Este jogo tira partidos das funcionalidades e potencialidades únicas no iPhone tais como o acelerómetro.

Esta criação conta ainda com a colaboração de designers de vários nacionalidades, entre eles Allan Sanders, Blanca Gómez, Camilo Bejarano, Laszlo Kovacs, Nishant Choksi, Roy Blumenthal, Tetsuya Toshima, Trevor Paul, e está disponível a nível global para download na iPhone App Store.


A yellowapp.mobi tem como “core business” a criação e design de aplicações para plataformas móveis, que vão desde jogos a serviços informativos sobre empresas, produtos ou serviços. Este é de facto, um dos meios mais revolucionários e rentáveis da actualidade."

O "opps.." é um jogo que consiste em controlar não uma mas várias esferas em simultâneo para serem colocadas nos buracos. Parece simples mas...

terça-feira, 26 de maio de 2009

Canal ABC sabe promover as suas séries

O canal ABC tem duas promos geniais. Não é que decidiram colocar todas as séries em Wisteria Lane, a urbanização chique das "Donas de Casa desesperadas"...
Sim, e resulta muito bem!

Reparem bem nas caixas de correio personalizadas...

Desesperado por estar Perdido...


Têm de viver todas (as séries) na mesma casa (canal)...


Há mais uma promo... e sobre Lost. Clique aqui.

Marketing dos capacetes Scala Rider...



O marketing dos capacetes bluetooth headset Scala Rider... está muito engraçado.
Fizeram um video que está mesmo bem pensado.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Polémica no jornal da TVI

E finalmente alguém com muita coragem e frontalidade, lá disse o que tinha de ser dito a Manuela Moura Guedes.

Tal como refere no Internet para Todos:
"O Bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, ao ser apelidado de “bufo” por Manuela Moura Guedes, respondeu violentamente à jornalista afirmando: “você não tem autoridade nenhuma para emitir juízos de valor acerca do que se passa na justiça”, e continuando no mesmo tom, acusou a jornalista de fazer um “péssimo jornalismo” que “viola sistematicamente o código deontológico”.



A entrevista não acabou sem Marinho Pinto afirmar que “se você me quiser fazer uma entrevista decente eu estarei disponível, mas esta estação devia ter aqui uma jornalista decente e não alguém que deturpa constantemente as regras do jornalismo”.
"

Toma lá Sra. "jornalista"!

Adenda:
A TVI merece o meu respeito por não ocultar o sucedido e manter no seu próprio site a totalidade desta situação. Nada foi ocultado.
É que lá encontra-se o video com a totalidade da entrevista: TVI



Esta sitaução faz-me recordar outra que aconteceu na SIC Noticias com o Santana Lopes.
Por vezes lá aparece alguém que os consegue chamar á razão.
Podem recordar o sucedido aqui.

Andam nas nossas salas de cinema (desde 21Maio09): A noite no museu 2, Amazing Grace, etc

Como é segunda-feira, dia de cinema mais baratinho qualquer coisa... ficam aqui as mais recentes estreias do dia 21 de Maio. É tudo uma valente m.. são filmes. A cereja encima do bolo é estrear um filme de Natal nesta altura do ano, totalmente fora do espirito natalício é... é... mesmo a pedir para não vermos.

Night at the Museum 2 - À Noite, No Museu 2
Amazing Grace
King of California - O Rei da California
Fly Me to the Moon - Os Mosconautas da Lua
Un conte de Noël - Um Conto de Natal


Imagem da revista Take.

iTunes e os CDs desconhecidos

Se há coisa maravilhosa que o iTunes tem é a capacidade ao enfiarmos um CD original no computador, ele apresentar os títulos todos do CD.
Sempre adorei isso e mais tarde a capacidade de adicionar as capas. Ambas são um must...

Parece magia... ele saber qual é o disco, de que banda, os nomes todos das faixas, o ano, e mais algumas coisas (como quem escreveu as faixas, etc). Claro... desde que haja ligação à internet mas nos dias de hoje... ela está sempre presente (senão não estavam agora a ler este artigo).

Longe vão os tempos, de termos de escrever esses dados todos. Mas de vez em quando lá vai aparecendo um ou outro CD em que o iTunes não faz a sua magia.

O iTunes para apresentar esses dados, vai buscar a informação à base de dados da Gracenote CDDB.
Se lá existir... há magia!
Se não existir nada lá... toca a sermos nós a escrever tudinho.

Normalmente acontece muito com os CDs promocionais que acompanham revistas ou jornais. Ou então daquelas bandas mesmo muitíssimo obscuras... ou regionais, etc.

Agora o mais interessante é que com o iTunes, esse trabalhinho todo que tivemos a adicionar as informações pode ser colocado na base de dados e assim, somos nós quem ajudamos também nessas informações.

Por exemplo, acabou de me acontecer isso com o CD promocional dos Taxi...


É simples!

-Coloca-se o CD, selecciona-se o referido disco na barra lateral, pedimos as informações no menu File/Ficheiro e preenche-se os campos todos. Com este passo o CD passa a ficar identificado (banda, álbum, ano).
-Depois é avançar para os nomes das faixas uma a uma.

-Estando tudo escrito direitinho é avançar para o envio desses dados. No menu "Avançadas" ou Advanced, usar a função de "Enviar nomes das faixas do CD".
-Et voilá! É só isto...

A ripagem das faixas fica logo bem organizadinha... adicionem a cover art do álbum (procurem bem na net ou digitalizem-na) e ficará tudo perfeito.

domingo, 24 de maio de 2009

Tugas: somos os maiores!

SER PORTUGUÊS É:


Levar arroz de frango para a praia.

Guardar as cuecas velhas para polir o carro.

Lavar o carro na rua, ao domingo.

Ter pelo menos duas camisas traficadas da Lacoste e uma da Tommy (de cor amarelo-canário e azul-cueca).

Passar o domingo no shopping.

Tirar a cera dos ouvidos com a chave do carro ou com a tampa da esferográfica.

Ter bigode.

Viajar pró cu de Judas e encontrar outro Tuga no restaurante.

Receber visitas e ir logo mostrar a casa toda.

Enfeitar as estantes da sala com os presentes do casamento.

Exigir que lhe chamem 'Doutor'.

Exigir que o tratem por Sr. Engenheiro.

Axaxinar o Portuguex ao eskrever.

Gastar 50 mil euros no Mercedes C220 cdi, mas não comprar o kit mãos-livres, porque 'é caro'.

Já ter 'ido à bruxa'.

Filhos baptizados e de catecismo na mão, mas nunca pôr os pés na igreja.

Não ser racista, mas abrir uma excepção com os ciganos.

Ir de carro para todo o lado, aconteça o que acontecer, e pelo menos, a 500 metros de casa.

Conduzir sempre pela faixa da esquerda da auto-estrada (a da direita é para os camiões).

Cometer 3 infracções ao código da estrada, por quilómetro percorrido!!!

Ter três telemóveis.

Gastar uma fortuna no telemóvel mas pensar duas vezes antes de ir ao dentista.

Ir à bola, comprar o bilhete 'prá-geral' e saltar 'prá-central'.

Viver em casa dos pais até aos 30 anos ou mais.

Ser mal atendido num serviço, ficar lixado da vida, mas não reclamar por escrito 'porque não se quer aborrecer'.

Falar mal do Governo eleito e esquecer-se que votou nele.



Viva Portugal, carago...

sábado, 23 de maio de 2009

Música da Semana: Coldplay oferece LeftRightLeftRightLeft

É bem sabido que os Coldplay abraçaram a ideia de oferecer música pela internet.

Quando lançaram o "Viva la vida..." ofereceram a faixa que promovia o álbum "Violent Hill".
Desde então que lá nos vão dando um de vez em quando um rebuçado. Agora o seu mais recente acto foi oferecer por download um CD inteiro ao vivo, o "Left Right Left Right Left", que contém 9 registos dos seus mais recentes concertos.

Felizmente para nós isso é uma boa ideia...


Basta ir ao site deles e descarregar na página que desenvolveram para isso (clique aqui).
Apenas vos pedem o e-mail e o país. E lá vem o álbum completo.

Bué da fixe, man!

Deixo-vos com uma exemplo de uma actuação ao vivo de "Fix You".



sexta-feira, 22 de maio de 2009

A season-finale de Fringe foi espantosa!

A série Fringe foi uma das boas surpresas da temporada televisiva de 2008-2009.

Juntando Fringe e Lost, se percebe claramente que a determinada altura, J. J. Abram, o criador e produtor destas séries, esteve a fazer brainstorming para fazer o filme Star Trek que anda nas salas de cinema.
Assim de entre muitas ideias de ficção-científica que lá foram surgindo para cima da mesa, devem ter surgido algumas que J.J. Abrams não recusou esquecer. Nota-se que escolheu a componente das viagens no espaço-tempo para Lost e algumas outras mais "wild" deverão ter sido remetidas para Fringe.

Assim Fringe, foi desfilando semanalmente ideias e situações mesmo muito interessantes e acabou num conceito ainda maior que são os universos paralelos.

Realmente, ao longo da temporada algumas pistas iam sendo lançadas nesse sentido mas nunca imaginava que se conseguisse tornar emocionante a revelação final implícita nesse tema.



É que com os mundos paralelos, a série conseguiu dar luz para a função do Observador, que misteriosamente estava sempre nos locais certos. Locais esses onde ocorriam as mais estranhas situações ou invenções científicas que a agente Dunham perseguia. O Observador é no meu entender alguém que vigia as alterações na separação entre mundos, que coexistem no mesmo espaço e tempo.
Outro facto estranho é a relação antiga dele com o cientista Walter. Penso que a determinada altura o Observador terá tido pena de Walter ter perdido o filho e lhe terá menorizado o facto de este ter ido ao mundo paralelo "roubar" o filho do Walter-alternativo, o tal que misteriosamente já havíamos visto num outro episódio mas que pensava ser o Walter a alucinar, pois ele até fala sozinho.

Talvez a razão de muitos dos actos estranhos estarem a acontecer cá se deva ao facto do Walter-alternativo estar fulo da vida por ter ficado sem o filho e o querer de volta.

Outra ideia que salta das últimas imagens do último episódio, prende-se com a visão imponente das Torres Gémeas intactas. Será que no mundo alternativo não aconteceram os erros e desastres vistos no "nosso" mundo? Será lá mais pacifico que cá?



A season-finale de Fringe foi mesmo espantosa mas teria siso melhor se os dois últimos episódios tivessem sido exibidos seguidos e não separados. É que o tema do mundo paralelo surge claramente no penúltimo episódio e isso enfraqueceu um pouco a surpresa final. Mas ainda bem que tivemos mais dois twists: o Peter original morreu em criança e finalmente se viu William Bell, que me pareceu não ser o vilão que se imaginava.



Talvez o vilão seja mesmo o próprio Walter ou o seu eu-alternativo!

Fringe volta lá para Setembro e já há teasers da 2ª temporada para aguçar o apetite... afinal ainda não sabemos nadinha de nada!

Single promocional dos Taxi hoje no Publico

Chiclet, Mastiga!

Os lendários Taxi estão de volta às ondas musicais e com novas canções.
O mais interessante é que a edição de hoje do jornal Público, oferece um CD-Single promocional dos Taxi, com as duas canções "Não sei se sei" (é mesmo uma boa canção e podem-na ouvir no YouTube) e "Antes de amanhecer".

Hélás!!!
É oferta mesmo... se comprar o jornal claro!
E já cá canta deste lado!


(Como não há capinha... digitalizei-a! Quem é amigo, quem é?)

João Bénard da Costa, no Público de hoje...


João Bénard da Costa
1935-2009



Grande Senhor do cinema.

Recordo com saudosismo alguns dos seus programas na RTP2, ciclos de cinema temáticos ou de realizadores, onde ele acerca do filme que ia ser exibido, nos falava antes sobre o filme em jeito de nos aguçar o apetite para descobrirmos a obra em questão, exibia o filme e depois regressava novamente com novo comentário mas desta vez bem diferente, fazendo as suas observações e criticas, sobre os pontos fulcrais do filme já visto, debatendo e revelando a genialidade da obra.
Na altura gostava de um ou outro filme de Hitchcock (Psico, o Intriga Internacional e tal) mas foi num excelente ciclo sobre Hitchcock que percebi muito mais sobre o génio, arte e técnica, deste realizador. Recordo-me da emoção dele a falar do "A mulher que viveu duas vezes", principalmente pela cena do néon... ele era marcante.

Como dizia no inicio:
Ele será para sempre um Grande Senhor do cinema.

Revistas on-line Maio '09: Take #15


Já anda disponível mais uma edição da revista de cinema on-line Take.
Esta edição nº15 está deveras interessante e com alguns artigos a não perder (imperdoável até): especial JJ Abrams, especial Star Trek, especial X-Men, uma abordagem ao sempre sentido tema das séries TV que são canceladas. Tudo isto junto das reviews dos filmes exibidos e um pouco letra sobre o que está aí para chegar, mais os DVDs mais recentes e afins de tirar o fôlego!

Portanto uma grande edição!

Parabéns à equipa da Take pelo enorme esforço em nos fazer chegar mensalmente semelhante nível de edição. Gratuitamente, de acesso pelo browser ou por PDF para descarregar.

Altamente recomendada!!!

Clique aqui:

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Moblin... um novo Linux para netbooks

Nos últimos tempos tem se notado a crescente moda de usar netbooks, que são pequenos portáteis de baixo custo e vocacionados para um uso de computação muito simples e baseado na internet.
Ora como a maior parte tem visto nos netbooks algo mais do que a sua génese, iludidos pelo factor de que se até tiver instalado um Windows XP, aquilo passar a fazer o lugar de um portátil a sério a um fracção do preço.

Ora era precisamente pelo sistema operativo, que ainda não me tinha convencido nada disto. E as variantes Linux que acompanham alguns modelos também não me encantam por aí fora. A razão é que se o Netbbok serve para tarefas simples, porque razão não teriam um sistema operativo mais simplista e totalmente virado para o acesso rápido?
Tal como acontece no iPhone, a Apple adaptou o OS X ao uso de acesso rápido, criando uma variante móvel impressionante. Assim sempre entendi que um Netbook deveria ter algo como sistema operativo mas nesse sentido. Nada de full-Windows XP!


Pois bem... e não é que a Intel decidiu desenvolver um sistema operativo pensado para netbooks, onde o acesso às tarefas é directo ao assunto e com uma única interface para tudo!
Assim foi desenvolvido pela Intel o projecto Moblin.org

Moblin, que significa MOBile LINux e que estes dias foi apresentado já na sua versão 2.0 beta.

E pelo que se percebe é mesmo algo muitíssimo interessante e até muito acertado.


Quanto ao funcionamento do Moblin nada melhor do que realmente ver no seguinte video, que é totalmente esclarecedor do ponto de simplicidade do sistema.



Como, poderam notar, com uma só "janela" aberta, que é a interface, se tem acesso a tudo rapidamente. Basta usar a "tab" do género pretendido e imediatemente o acesso directo a esse tema ou conteúdos.


É totalmente gratuito e como é open-source, é disponibilizado no site todas as ferramentas para se desenvolver aplicações para o sistema e por aí fora.
Segundo percebi, a instalação é realmente simples e pode ser mesmo testado o seu funcionamento sem ser necessário desinstalar o que está. Basta descarregar do site e usar a imagem de instalação...
O requisito para funcionar é que requer um precessador Intel.
Portanto... se não for Intel... népias!

Está mesmo altamente e merece estarmos atentos a esta variante linux.


Tão simples que até uma criança do pré-escolar saberá usar!
Hummm... isso até que já me está a dar cá uma ideia de como libertar o computador dos meus "pestinhas" lá em casa...

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Maravilhamento da BD agora na TV

Quando era "pequeno" gostava muito de ler as BDs da Marvel e da DC Comics. Recordo-me com saudosismo de muitas das maravilhosas aventuras e histórias das páginas que lia (e que ainda detenho).
Posso me considerar apenas um conhecedor old-school, daqueles que actualmente se encontram desfazados com as novidades e renovações que as personagens foram sofrendo nos últimos 15 anos.
A vida segue e outras atenções foram surgindo.

Na época lia histórias que eram muito sofisticadas. Fantasias sem igual noutros media (o cinema ou a televisão) pela impossibilidade técnica de as concretizar na altura (anos 80). Daí que o desejo de ver esse nível de histórias em imagem real em movimento foi sempre algo que todos nós nos resignávamos não ser possível e nos íamos contentando com o que existia.
Filmes como o Superman com Christopher Reeves e mais tarde o Batman de Tim Burton, que davam um vislumbre muito próximo da essência da BD marcaria muito a minha forma de aceitar ambos os filmes como autênticos marcos da situação. Outros como o Star Trek, Star Wars ou na TV a The Twilight Zone, Space 1999 e Galactica, faziam as delicias do meu maravilhamento-mor. E depois apareceu o Matrix... para mim é ainda hoje um supra-sumo isolado.


O maravilhamento da BD...

Muitas histórias passaram-me pelas mãos. Desde as origens contadas nas edições históricas dos mais importantes super-heróis como:
-Marvel: Homem-Aranha, Hulk, Quarteto Fantástico, X-Men, Capitão América, Demolidor e muitos outros.
-DC Comics: Superman, Batman, Flash, Mulher Maravilha, etc
Até ás mais sofisticadas histórias de ambas as editoras onde os maiores paradoxos em simultâneo aconteciam: na Marvel "Secret Wars - Guerras Secretas" e da DC a "Crise nas Infinitas Terras".
E era aqui, que pretendia chegar.


Há mais de vinte anos que me habituei a ver essas personagens em situações complexas tais como os paradoxos temporais, viagens no tempo, mundos/universos paralelos, realidades alternativas, portais entre realidades, mitologia, clones/ciborgues ou seres mutantes/super-seres com poderes a desafiar o comum como a teleportagem, manipulação psíquica, manipulação da realidade, mudança de forma e cenas por aí semelhantes, tudo isto ao serviço das mais moralistas e sentidas histórias (as do Capitão América então...).


O maravilhamento conseguiu chegar à TV...

Digo isto porque temos assistido a inúmeras adaptações para cinema desses super-heróis e até mesmo algumas temáticas desta complexidade serem introduzidas nos filmes à bom tempo. até já nas séries de TV.
Passados tantos anos, o maravilhamento da BD está cada vez mais presente na produção TV.

Para muitos não passa de fantasia de treta mas para outros como eu que seguiram estas complexidades, sentimo-nos finalmente recompensados pela actual produção televisiva (a do cinema deixarei de fora).
São séries como Heroes (é evidente demais para citar pois é o mundo à lá X-Men mas tratado de forma algo pateta - apesar de haver lá grandiloquência sem boa concretização), Terminator TSCC (paradoxos temporais), Dollhouse (manipulação mental), Kyle XY (a criação de um super-ser), True Blood, BS Gallactica...
... mas especialmente o ponto a que nos têm remetido Smallville, Lost e Fringe.

São séries que fazem pensar em temas difíceis e sobre as quais muita malta desprevenida fica de boca aberta ou a pensar.

Por exemplo o twist final de Fringe é maravilhoso ao termos a visão geral de um mundo paralelo e especialmente pela abordagem dada a esta matéria.
Também Lost tem desafiado a nossa mente com as viagens no tempo desde a 4ªT e os paradoxos a que ficaram submetidas as personagens e acontecimentos na ilha na 5ªT, ao não seguirem um linha de tempo contínua e normal.

Quanto a Smallville não tem mostrado nada de tão anormal à primeira vista mas está cada vez mais implícita a constante do Multiverso e do facto que acredito que a personagem principal nunca será o Super-Homem porque é na verdade uma versão alternativa dele e a passar-se num universo paralelo...

Adium beta 1.4b1 com IRC, Twitter

O Adium, aplicação exclusiva para Mac OS X, recebeu recentemente uma nova versão beta que entre as habituais melhorias, foi acrescentado o suporte ao IRC e ao Twitter.

Com tanto suporte a diversos protocolos é pena, eles não darem o suporte ao chat por voz e video (bem que tentam e isso significaria a versão 2.0 do Adium) e também ao Skype (que nunca suportará dizem eles por ser um sistema fechado).


Para terem a versão beta, basta nas preferências activar a actualização com versões beta.