terça-feira, 6 de abril de 2010

Quantos iPad vendeu a Apple apenas no primeiro dia, quantos? E o que dizem do iPad?

Bastantes!
Muitos mais do que as previsões anunciavam, até...



A Apple, conforme informa na press release, vendeu mais de 300 mil iPads só no primeiro dia de lançamento!
300 mil durante o dia 3 de Abril e apenas num só país, a América.

Puxa!... Para uma empresa há uma década atrás quase moribunda, é nos dias de hoje uma máquina de fazer milhões num só dia. Portanto, até vendeu muito mais do que no lançamento do iPhone em 2007, que conseguiu atingir "apenas" os 250 mil aparelhos vendidos. E já era impressionante!


E o que dizem do iPad? Incluindo aqui o "je"...


As reviews são já imensas (incluindo as já habituais unboxing de produto) e a maioria alinha pela mesmo bitola: é para muitos um produto revolucionário, que se situa num novo campo de computação (realmente entre smartphone e portáteis), sendo um dispositivo móvel com grande potencial para a consulta de conteúdos, acompanhamento de comunicações e interacção social, a bateria dura um pouco mais do que o anunciado.

É apontado como algo entre os smartphones demonstrando mais potencial que estes, especialmente pelas maiores dimensões e que poderá ameaçar o actual estado de reinado dos notebooks (portáteis) no futuro (incluindo os netbooks) em tarefas que não sejam a produção pura de conteúdos.
Também está a ser visto como um valioso produto para a gama de e-readers, onde o LCD do iPad se revela bastante interessante e muito menos cansativo do que o imaginado, com a vantagem de tudo o que o aparelho permite (internet, musica, video, comunicações, etc).
Os pontos mais positivos incidem na categoria de fotos e mais os negativos, por não ter uma webcam, conexão externa por USB (impressoras por exemplo e a armazenamento - mas aqui também acho que isto é um não problema mas sim antigos hábitos ainda) e também já têm surgido indicações de que o produto não terá a mais adequada memória RAM que deveria.

Quanto á minha opinião, acho que continuo acertado sobre o iPad ao entendê-lo como uma extensão do computador e não um substituto, sendo que neste aspecto torna-se uma maior valia se o computador for até um desktop (e não um portátil).

"Então, com cenários destes, o aspecto de carregar um portátil passa a ser questionado. Um aparelho destes colmataria muitas das utilidades que se atribuem a um portátil ou até mesmo os netbooks.
E sendo uma extensão móvel do computador pessoal que se tem em casa, eu então seguiria para o ponto seguinte. O regresso dos computadores de secretária, como o iMac ou os conhecidos PCs, como sendo o potente computador para tudo agregar nele e fazer as tarefas mais árduas (os jogos mais exigentes, aplicações de trabalho mais intensivas, etc)... e dispositivos como o iPad a servirem de extensão informática móvel do que está em casa." Consultar mais no artigo "review" dedicado ao iPad neste blogue, clicando aqui.

Portanto, o iPad é algo móvel para nos acompanhar com o conteúdo e dados que possuímos no desktop como a música, fotos, videos, leituras, etc e assegurando a consulta móvel de comunicação e informações utilizando a internet.

Vai dar que falar durante muito tempo...

4 comentários:

Zé Miguel disse...

Só acho as opções de armazenamento um pouco curtas. Tenho certamente mais de 32GB em conteúdo (video+musica+fotos). Por isso o ipad fica a custar 700$ :(

Agora, isto quando sair a versão 3G, são mais uns 400.000 que a apple vai vender :)

Nasp disse...

Pessoalmente acho que um iPad substitui completamente um netbook (pelo menos eu trocava o meu).

Mas não tou a ver que possa substituir um portátil tão cedo....

Sem duvida que vejo-o também como um complemento de um potente desktop para tarefas exigentes. Afinal ver o mail, dar uma vista de olhos nas noticias online jogar umas copas e ler uns ebooks sentadinho no sofa depois da sopa, acho que são as maiores virtudes que o iPad pode dar aos seus compradores.

Mesmo a trabalhar num desktop dará jeito ter um iPad ao lado com um ebook aberto para tirar duvidas :)

Bem tou-me a converter a Apple e aos iPads :)

Nekas disse...

Penso que o Ipad é uma gadget bastante inovador mas que dificilmente valerá o dinheiro que custa e muito dificilmente substituirá um netbook, quanto mais um portátil...


Abraço
Cinema as my World

ArmPauloFerreira disse...

(Vou repetir uma resposta)
o iPad não é um portátil, não é um netbook, não é um smart-phone e não é um iPod touch grande...
O iPad é outra coisa tão nova em termos de computação, que nem há comparativo sequer (há outros tablets mas só se podem comparar pela forma exterior).
Não é o que pode ou não fazer um iPad como fazem a restante computação até aqui, mas sim como o faz.
O iPad, tal como já se evidenciava no iPhone, promove a criação de novos métodos e hábitos... que ainda não nos habituamos sequer (o armazenamento é um exemplo).

@Zé Miguel: Quando usava o meu um iPod nano de 2Gb, obviamente que ele não abraçava a totalidade do meu iTunes e nem o meu iPhone com os seus 16Gb, o consegue sequer mas tudo o que pretendo tenho por lá...
O iPad deverá apenas conter o relevante para a fase a que se destina. Faltam mais volta-se a sincronizar com mais o que queremos (e no processo remover o que já não interessa).
Neste aspecto, o musical, usar ratings é mais importante do que parece, pois pode afinar de maneira a só ter as mais bem classificadas por ex.