domingo, 3 de outubro de 2010

Musica da Semana: U2... discos até ao final do mundo!

Os U2 são uma das bandas que devem já ser vistos como grandes dinossauros do rock. Enchem estádios com mega produções, super elaboradas. Arrastam milhares atrás deles para os concertos, concertos esses que são sempre tidos como acontecimentos. Pode se dizer que como banda já trespassaram o rock de lés a lés.


Desde cedo eram um mera banda de culto, som sonoridade alternativa em oposição às bandas pop-rock da altura (nos inicios dos anos 80) apesar de muitas vezes se verem enfiadas nesse mesmo caldeirão devido a algumas canções que se tornavam muito populares (por serem bastante orelhudas). "Bad" e "Pride" eram magnificas, numa sonoridade rock algo etérea (as guitarras com eco que se tornaram uma das imagens de marca do grupo) e expressavam-se com revolta.


Tornaram-se em estrelas mundiais quando a espetaram o álbum "The Joshua Tree" no mercado. É um álbum muito aclamado, um verdadeiro clássico e tem um arranque que constitui nas suas 3 primeiras faixas seguidas, como as mais famosas canções dos U2: "Where the streets have no name" + "I still haven't found what i'm looking for" + "With or without you"... que são brilhantes!
"Desire" chegou depois no álbum seguinte (bastante estranho) e no embalo de tanto sucesso. Mas os U2 queriam ainda mais...

Não sendo um fervoroso seguidor dos U2, digo que foi com o lançamento de "Achtung Baby" (1991) que a banda realmente me significou mais verdadeiramente.


Eu ouvi-a este álbum inteiro totalmente maravilhado. Frescura sonora, muita criatividade e mesmo sem deixarem de fazer um rock algo mais sujo por vezes (a "The Fly" é deliciosa), faziam-no com um sentido que sabia a pop.
É um álbum magnifico por agarrar o ouvinte pelo seu lado orelhudo (a balada "One" ou a "Mysterious Way" cumpriam o seu papel na radios) mas depois sugando-o para a descoberta da excelência do resto do álbum. Que tem momentos mesmo magnéticos e marcantes ("Love is blindness" é superlativa e intimista em simultâneo). Este é para mim o grande disco dos U2 e é nele que se encontra a melhor canção que eles alguma vez fizeram (na minha opinião): "Until the end of the world"


Acho que é um certeiro exemplo do que de melhor os U2 fizeram até hoje e nela se sente a vibração da banda em criar algo a 4. É impressionante pois o baixo faz as honras de abrir a canção, seguindo-se depois a bateria, cuja explosão dá-se no momento da entrada da guitarra e só depois a voz acalma as hostes. Acho que ainda hoje não fizeram melhor do que esta canção.

O sucesso à escala planetária, também faz as bandas cederem ao que melhor se cativa as massas. Foi apartir daqui que os U2 tornaram-se pop. O rock dos U2 era muito polido e trabalhado em contraste com o hard-rock e grunge que despontava noutros lados.
A verdade é que não se pode apontar nada de errado aos U2 pois eles foram continuamente alimentando o mundo com o seu pop-rock blockbuster. As edições de novos álbuns que se iam seguindo, no fundo iam apenas seguindo as pisadas que a banda criou de 1980 a 1997...


Em 1995, e devido à fervilhante fase criativa da banda, que colocava problemas à editora pois eles depois do "Zooropa" pretendiam lançar em curto espaço de tempo novo álbum e... só o puderam fazer sob outro nome: The Passengers. "Original Soundtracks 1" é um interessantissimo disco, onde os U2 se juntavam ao popular tenor Luciano Pavarotti (já falecido) e tinham ainda no mesmo "barco" Brian Eno.


"Original Soundtracks 1" é todo ele música para filmes, só que... os filmes são todos eles fictícios!
Não existem mesmo, contudo o humor dos U2 leva a farsa muito a sério ao creditar cada canção a títulos de filmes (inventados é claro). Realmente toda a sonoridade do disco (é desequilibrado) remete a paisagens cinematográficas e não deixa de ser curioso esta obra não ter saído sob o nome dos U2 (a "Your Blue Room" é bem digna do nome). Ahh... e quem é que não conhece a fabulosa canção "Miss Sarajevo"?



Tenho ainda dois interessantes singles (que funcionam mais como EP's) que atestavam a capacidade desta banda em 1997, quer a faceta ao vivo (Please - PopHeart Live EP - dizem que se tornou rara esta edição limitada - "my precious"), quer a enveredar por outros caminhos (If God Will Send His Angels - tem duas canções que honram os antigos standards americanaos "Slow Dancing" e a belissima "Two Shots Of Happy, One Shot Of Sad" dedicada a Frank Sinatra).



Os U2 lançaram vários discos e compilações...
As duas compilações "Best of 1980-1990" e "Best of 1990-2000" considero-as de recomendação obrigatória. Está lá tudo, incluindo as duas canções para os filmes "Batman Forever" (rever artigo dedicado) e "Gangs of New York" (rever artigo dedicado)... apenas faltando o tema para o "Mission: Impossible" (de Brian DePalma).

4 comentários:

Nasp disse...

Os U2 têm tantas musicas memoráveis que é difícil eleger uma, o album Achtung Baby é também o meu preferido da banda. Ajudou também o facto que saiu numa época muita boa para a "nossa" geração que foram os inícios dos anos 90.

Desde esse album que comprei tudo o que saiu dos U2.

Talvez por isso Achtung Baby seja mesmo o meu album All-Time, à frente do Brothers in Arms, e do The Dark Side of the Moon.

aPAULOf disse...

Gostei muito do comentário, Nasp.

A nossa geração são os filhos dos U2, na realidade somos os Achtung Babies da banda.
Segui-a sempre com moderação e não há lançamento novo deles a que seja indiferente. Mas pelo caminho já vi muita mais e interessante também. Na altura que escutava Achtung Baby, foi depois de ter saido (a partir de 1992) delirava mais com o antigo "Wish" dos Cure, o "Delicate Sound Of Thunder" dos Pink Floyd (que me fez ser um fã profundo), deliciava-me com os dois "Use Your Illusion" dos Guns'N'Roses, maravilhava-me com o Best of dos Dire Straits "Money For Nothing" e também andava a descobrir Sonic Youth. Depois chegaram os Nirvana e Portishead e nada mais foi o mesmo musicalmente...

Loot disse...

Concordo o "Achtung Baby" também é dos meus preferidos.

Não só porque é um belíssimo álbum mas também pela altura em que surgiu. Os U2 tinham conquistado o público com a sua sonoridade "joshua Tree" que é muito boa mas depois surgem com "Achtung Baby" um álbum completamente diferente, sem medos de mudar e eu adoro quando uma banda tem a ousadia de fazer isto e a qualidade para que resulte.

abraço

aPAULOf disse...

O Achtung Baby é o disco dos U2. Álbum que marca um antes e um depois... é muito bom e eles souberam fazer a revolução no momento certo pois a música transformou-se nessa altura e eles souberam preparar o seu futuro.
Eles agora são o equivalente aos Rolling Stones... e sem oposição alguma!
Talvez dos próprios Rolling Stones quando estes ainda se metem à estrada ou fazem algo novo.