quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Series TV: The Walking Dead... altamente!

Gostei do segundo episódio da série "The Walking Dead", que sigo pela FOX (HD).


Antes disso umas palavras acerca do episódio de estreia na versão original, portanto a alargada com 66 minutos (que a FOX portuguesa passou este fim-de-semana).

O episodio de estreia teve os mencionados (noutro artigo) cortes (cirúrgicos) que o diminuiram para 50 min (menos 16 min)... mas depois de visto tudo na totalidade, também posso dizer que na verdade não destoam da total apreciação do teor do episódio.
Há é na versão "alargada" bastantes momentos mais prolongados (principalmente ao inicio e pelo meio do episódio) e não um corte de segmentos cruciais como a situação fazia crer.
Não desvirtua mas o certo é que são 16 minutos de diferença e foi uma falta de respeito terem-no feito. Quer-se dizer a Fox até não cortou nada mas decidiu exibir a versão "editada" destinada para repetições depois da estreia. Foi isso que foi feio na realidade. Nos episódios seguintes a série exibe com a duração normal (±45 min).



Esta série teve um bom arranque e deixa o espectador em suspenso para o que virá a seguir depois de ter ficado na parte em que o protagonista principal fica retido dentro do tanque de guerra e totalmente cercado por ordas de zombies em plena cidade.

O que veio a seguir pega nesse momento e avança-o. Começa por nos dar um pouco dos sobreviventes no campo (agudizando já uma situação de triângulo amoroso que não irá acabar bem) e voltamos á cidade e à situação do agente dentro do tanque, que recebe por via do radio de comunicação uma voz a dar-lhe instruções de auxilio. E safa-se, depois de vários disparos certeiros nos zombies. É quando, depois de várias peripécias, se junta a um grupo de sobreviventes dentro de um pequeno centro-comercial. Mas os tiros localizaram-nos e têm de desenvolver um plano para poderem escapar da invasão de mortos-vivos.


Teve ritmo e além de muitas situações já muito batidas nos filmes deste género, achei muito original a forma como conseguiram arranjar um processo para passarem pelo meio dos zombies. Para isso têm a peregrina louca ideia de esquartejar à machada um cadáver e cobrirem-se com a carne infectada. Foi um "must" de visceras e tripas tão nojentas que mostram o quanto corajosa é esta série no panorama televisivo. Toda a artimanha foi muito curiosa e até invulgar – os zombies ignoram o cheiro dos mortos e notam é a carne “fresca e viva” (e com isto, também nunca soube a razão para os zombies terem de comer os vivos?).

Foi um episódio jeitoso e só pecou por saber a pouco…
Que venha rapido o seguinte. E caramba que ainda é uma semana inteirinha!

2 comentários:

CINE31 disse...

É verdade, vamos agoniar até chegar o próximo :-)

ArmPauloFer disse...

A série tem sido bem boa. Tem clichés mas é fixe!