sexta-feira, 17 de junho de 2011

Cine-critica: The Karate Kid (2010)



The Karate Kid
(2010)

Realização:
Harald Zwart
Com:
Jackie Chan, Jaden Smith, Taraji P. Henson, Zhenwei Wang...



Sinopse: "Dre Parker muda-se para Pequim, devido ao novo emprego da sua mãe. Para Dre, a única coisa boa nesta mudança foi conhecer Mei Ying, sua colega de escola. No entanto, esta relação leva-o a tornar-se inimigo de Cheng, o "bully" da turma. Terá agora de aprender Kung Fu, para se defender."



Bem, vamos lá a mais uma "memory-review"...

Digo que achei o filme adorável, por vezes até contemplativo pelo lado da criança que quer pertencer ao pequeno mundo que a rodeia e que não o aceita por ser diferente. Contudo, como remake de um mega-êxito de culto dos anos 80, que apesar de seguir a mesma ideia de estrutura narrativa, não senti o feeling especial que o original ainda tem intacto. Talvez seja de nos dias de hoje já não vermos as coisas com a mesma inocência ou seja um problema meu de percepção.

Há neste remake ideias novas, sendo a primeira a mudança territorial, que dá um contexto mais credível à história destas personagens. De uma maneira muito deslumbrante ganhamos visualmente uma espécie de viagem sensorial por Pequim, as suas tradições, cores e costumes. Deslumbra!


O melhor do filme é sem dúvida então o percurso mestre-aluno, onde ambos desta vez precisam mais um do outro do que imaginam, tornando-se ajuda mútua uma motivação para as suas vidas à deriva. No fundo, bem mais profundas as razões do que as mais simplistas do original. Estes dois ganham assim, alento para enfrentar a vida, num paralelismo que acho interessante ao ser por um lado uma criança e do outro um idoso. No fundo, ambos representam o inicio e o fim do percurso de um homem na vida. Futuro e passado, que ambos juntos vão solidificar um Presente.

Jackie Chan há muito que não se o via como "actor", surge aqui num papel tão contido e sério, sem as palhaçadas habituais e mesmo assim preponderante ao longo do filme.


Jaden Smith, o filho do famoso actor Will Smith, mais uma vez (pela 3ª vez) mostra que há ali estofo para prestar atenção e neste tem a dura tarefa de levar com todo o filme às costas, safa-se muito bem nas artes marciais e com uma agilidade impressionante.
Tem pinta o puto... apesar de perceber-se claramente, que existem cordelinhos por trás a transformar cada momento dele, em promoção de carreira (basta ser filho de quem é... favores e tal... por aí.).


Agora, este remake tem um pecado inadmissível, um grave detalhe grosseiro que trai absolutamente o original e que é até um insulto: mudaram a arte marcial e já nem é karate sequer... daasse!!!
O nome do filme é "Karate Kid", mas o que aprende é Kung Fu... minha nossa!
Isto é um insulto a todos os karatecas do mundo. (Por afinidade digo, e uma vez que já pratiquei taekwondo, que estas coisas sentem-se muito forte mesmo.) Eu acho que o titulo do remake deveria ter sido "The Kung Fu Kid"... era mais justo e se calhar ninguém notava também.

No geral, gosta-se de ver, vale a pena, é um bom filme familiar, um entretenimento bem melhor do que parece... mas o fantasma do filme original paira sempre por aqui.

(Ahh... e hoje o filme é exibido nos canais TVCine.)

Muito Interessante
6,5/10

5 comentários:

João Bastos disse...

eu devo dizer que gostei bastante! mas é óbvio que não o posso ver como remake... Eu que adorei a trilogia com Pat Morita e Macchio...
Em relação ao título, creio ter lido algures que foi uma questão de marketing. Pois era para ser originalmente "The Kung Fu Kid"... Acho que foi mesmo só no ocidente que alteraram... Mas não tenho a certeza.
E Jackie Chan tem aqui o seu papel mais sério (a par da saga Police Story), e está muito bem!

ArmPauloFer disse...

Também gostei muito e por isso até fazer a review só por memória (mas ao rever perde talvez um pouco). Mas é um remake sim, que de certa forma não só do primeiro como ainda tem situações do segundo da saga. E a saga até é uma tetralogia (não esqueçamos a jovem Hilary Swank)
É de recomendar claro!

Nuno Pereira disse...

Não sei mas eu não considero este filme inferior ao original.

Uma nova produção com valores muito bons e que eu gostei muito.

Os putos de hoje não têm o mesmo sentimento em relação ao filme original, e os que viram esta nova "instalação" no intervalo do Facebook, do Panda ou das consolas, só vão recordar este!

ArmPauloFer disse...

Não é inferior em nada e concordo também. Como vibrei na altura com os originais, pairou sempre o deja vu que enfraqueceu, especialmente ao o rever. E no original como o aprendiz é um adolescente e não uma criança, a motivação tem outros contornos também mais justificadores de aprender karate, e achei o torneio e o golpe final com mais impacto por duvidarmos se o faria bem ou não. No novo ele faz um golpe que praticamente nem o treinou e é de elevada exigência para ser aplicado do nada (estamos a falar de kung fu acrobático -bem diferente do karate com golpe técnico).
Entendam que gosto do filme e é um prazer rever... mas não há amor como o primeiro!

João Bastos disse...

Realmente não há amor como o primeiro... O da Hilary Swank eu prefiro esquecer... achei tão mau, mas tão mau, que para mim é só trilogia! É difícil fazer comparações entre original e remake, porque nós já não vemos o remake com os olhos que vimos o original... nos anos 80 era tudo muito mais inocente (à falta de palavra melhor)...