quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Pink Floyd - Ummagumma (1969)



"Ummagumma" (1969) is a Pink Floyd album/project that was very important in the band's career. Much more than it seems from such distance today because in those days of 1969, it tries to search a future for the band while establishing what they were and how their (short) past songs evolved. In some way we can ear them playing together and live, doing her best in the late 60s and in another proof of concept understand what was the (sound and ideas) universe of all the four members when they contribute with their stuff individually.

In my opinion we can clearly note that:
- Roger Waters was always more interested in describe ideas on tracks with his own obsessions and intimate feelings (and authority) with a more natural but wide landscape - something that his pastoral approaches worked really well for several times; The curious fact is that his contribution in studio shows himself much more solo than all the others;
- Nick Mason, seems more interested in aesthetics and what levels a music can achieve with different and experimental rhythms while also trying to wide their sound to new feelings that other instruments reworked in studio could provide to musical aspects;
- David Guilmour, shows here that he got a more song approach and trying to give harmonies to it, traveling from light to dark and coming back, in form of guitars sounds and matching that with voice. He does in a way that opens the need of been integrated and surrounded by a band playing;
- Richard Wright had the opportunity to show how far he could create music and he does that with a sense of grandiloquence attitude where we can feel this is something made to be scaled to be epic. What we get is music floating from her fingers but never songs.

I think that all those individual energies has made them in a path of discovery of what they really has become. This album contributed largely for a more opened attitude in their records (songs and music), something that new "The Endless River" (2014) has some clear bridges to this one (like in "Sum", "Skins", "Autumn '68", "TBS9" or "TBS14").

Finally, an album cover that, in is own style, has become something like a revelation to the band future. It's like a prediction of Pink Floyd's future leadership... from a band of 4... to Waters domination... and ending in Guilmour.
It was always there in front of us since 1969... wow!

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sistemas operativos Windows: good... bad...

Epá! Sendo assim, seguindo esta lógica, já sabemos quando é que o Windows vale a pena...


sexta-feira, 17 de maio de 2013

Cinestreias de 16Maio'13: The Great Gatsby; Rabbit Hole; Deadfall; etc...

As estreias de 16 de Maio'13:

The Music Never Stopped - A Música Que Nunca Acabou
À Perdre la Raison - Os Nossos Filhos
The Great Gatsby - O Grande Gatsby
Deadfall - A Sangue Frio
Rabbit Hole - O Outro Lado do Coração
República di Mininus
The Guard - O Guarda
Admission - Aprovado


quarta-feira, 15 de maio de 2013

Festival de Cannes 2013

Arranca hoje, de 15 a 26 de Maio, um dos mais badalados festivais de cinema do mundo, o 66º Festival de Cannes.


Normalmente, os filmes deste festival são de um tipo de cinema mais artístico e elitista, bastante afastado dos arquétipos da maior parte do cinema de Hollywood (que mesmo assim tenta sempre aqui se infiltrar com alguma coisa, muita das vezes nas aberturas) e onde acaba por ser o maior palco para fazer brilhar os holofotes em muita da excelente produção cinéfila da Europa e Ásia. Quem gosta imenso de cinema, deve sempre prestar atenção a festivais como este juntamente com todos os outros eventos do mundo do cinema. Surgem sempre imensas boas propostas para nos deliciar...

Coloco aqui, a lista do que será exibido no festival:

Filme de Abertura
O Grande Gatsby, de Baz Luhrmann


Selecção Oficial (Competição)
Un Château en Italie, de Valeria Bruni-Tedeschi
Inside Llewyn Davis, de Ethan Coen, Joel Coen
Michael Kohlhaas, de Arnaud Despallières
Jimmy P., de Arnaud Desplechin
Heli, de Amat Escalante
Le Passé, de Asghar Farhadi
The Immigrant, de James Gray
Grigris, de Mahamat-Saleh Haroun
A Touch of Sin, de Jia Zhangke
Like Father, Like Son, de Hirokazu Kore-eda
La Vie D’Adèle, de Abdellatif Kechiche
Shield of Straw, de Takashi Miike
Nebraska, de Alexander Payne
La Vénus à la Fourrure, de Roman Polanski
Behind the Candelabra, de Steven Soderbergh
The Great Beauty, de Paolo Sorrentino
Borgman, de Alex Van Warmerdam
Only God Forgives, de Nicolas Winding Refn
Only Lovers Left Alive, de Jim Jarmusch


Selecção Oficial Un Certain Regard (Competição)
The Bling Ring, de Sofia Coppola (Filme de Abertura)
Omar, de Hany Abu-Assad
Death March, de Adolfo Alix Jr.
Fruitvale Station, de Ryan Coogler
Les Salauds, de Claire Denis
Norte, the end of history, de Lav Diaz
As i Lay Dying, de James Franco
Miele, de Valeria Golino
L’inconnu du Lac, de Alain Guiraudie
Bends, de Flora Lau
L’Image Manquante, de Rithy Panh
La Jaula de Oro, de Diego Quemada-Diez
Anonymous, de Mohammad Rasoulof
Sarah Would Rather Run, de Chloé Robichaud
Grand Central, de Rebecca Zlotowski
My Sweet Pepperland, de Hiner Saleem
Tore Tanzt, de Katrin Gebbe
Wakolda, de Lucia Puenzo


Selecção ofical – Fora de competição
All is Lost, de J.C Chandor
Blood Ties, de Guillaume Canet
Le Dernier des Injustes, de Claude Lanzmann


Sessões Especiais
Muhammad Ali’s Greatest Fight, de Stephen Frears
Stop the Pounding Heart, de Roberto Minervini
Week end of a Champion, de Roman Polanski
Seduced and Abandoned, de James Toback
Bite the Dust, de Taisia Igumentseva


Filme de Encerramento
Zulu, de Jérôme Salle

listagem via: Cinema 7ªarte


Já agora sobre o poster desta edição de Cannes 2013, foi originado no filme "A New Kind Hope"...




Paralelamente aos Festival de Cannes, decorre ainda, de 16 a 24 de Maio, um evento alternativo com obras menos badaladas de novos realizadores (mas nem por isso menos interessantes):
o 52ª Semaine de la critique Cannes 2013, cujo programa pode ser contemplado no site.


segunda-feira, 13 de maio de 2013

Take - Cinema Magazine #30... o regresso!

Depois de um longo período ausente, a web-revista Take regressa em grande com a edição nr30.

Take Cinema Magazine #30 - clicar para ver a edição

Esta edição inteiramente dedicada ao festival de Cannes, com uma viagem ao longo da história deste festival, surge renovada estéticamente, com um visual apurado e com textos de imensos dos melhores bloggers nacionais de cinema.
Altamente recomendada!

Links: site da Take, no alojamento da revista na Issu ou no Facebook.

domingo, 12 de maio de 2013

Waribashi #44 (Abril'13)

A ediçao de Abril da revista de cultura japonesa Waribashi, nr 44.


"O destaque desta edição vai para o magnífico jogo “Monster Hunter 4 Ultimate” uma das experiências mais marcantes a chegar às consolas. A revista continua com a visita à mais recente exposição da Japan Society de Nova Iorque – “Edo Pop” – um olhar à arte pop do periodo Edo e à sua influência nos nossos dias. Dos Ulyio-e aos manga, passamos a dar a conhecer um título emblemático! “Tokyo Babylon” das Clamp é re-editado pela Dark Horse Comics numa edição que faz juz à obra. A esta acompanha o tributo a Vash the Stampede. O herói de Trigun recebe a devida homenagem na mão de alguns dos mais talentosos autores manga da actualidade em “Trigun: Multiple Bullets”. De volta a terra dos videojogos temos um olhar breve ao jogo de Tomb Raider, onde Lara Croft fica numa delicada situação durante a sua busca de um mitico pais na silhas do Japão. Depois do festivalMonstra ter mostrado o melhor do que é feito em animação no cinema S. Jorge, damos a conhecer três marcos nipónicos deste festival: a presença de Mirai Mizué numa entrevista, a critica ao livro “The Mystical Laws” que é a base do filme com o mesmo nome. Para terminar a abordagem ao Monstra, o nosso especialista de cinema Miguel Patricio comenta o filme “Letter to Momo”, uma das estrelas deste festival. Viajamos do festival Monstra para o Saldanha onde inaugurou o mais recente Dojo de Lisboa dedicado ao Jideido, arte marcial do Mestre Tokitsu com quem tivemos o prazer de conversar durante o seminário que ocorreu em Lisboa. E como sempre, a terminar o origami da Isabel Gomes."

Waribashi #43 (Março'13)

O nr 43 assinala o regresso da Waribashi a 2013!



"...a primeira edição da Waribashi de 2013 e mesmo na véspera do MONSTRA, a quem deixamos a nossa vénia pela continuada promoção ao cinema de animação Japonês. Esta edição falamos do filme “Mystical Laws” e do trabalho de Mirai Mizué, ambos participantes no festival.

Para além destas peças, continuamos nesta edição a visita pelo Japão segundo as palavras de Tiago Santos, ficamos a conhecer um pouco mais sobre o universo do cinema da Nikkatsu por Miguel Patricio e abrimos a cortina sobre o mundo das Karakuri, as bonecas japonesas.

Mas estes são apenas os destaques desta edição. Para além destes artigos damos as boas vindas ao regresso de Hamtaro, desta vez no Canal Panda e revelamos um pouco do manga “Blood-C” das míticas CLAMP com arte do pródigo Ranmaru Kotone.

E nunca esquecer os esquemas de origami da talentosa e bela Isabel Gomes.
"