sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Cine-critica: Shutter Island (2010)

Shutter Island (2010)
Realização: Martin Scorsese
Com: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Emily Mortimer, Michelle Williams, Max von Sydow, Jackie Earle Haley...

Sinopse: "Decorre em 1954, quando dois agentes do departamento de justiça dos EUA investigam o desaparecimento de uma paciente de um hospital para loucos homicidas numa ilha de Massachusetts. Só que no próprio local percebem que há na ilha um outro prisioneiro, mas desconhecido, e que eles estão a ser continuamente enganados por toda a gente, situação agravada por um furacão que os deixa presos no local."


Há uns anos Scorcese ganhou finalmente o Oscar de melhor realizador por um filme que, na minha opinião, não merecia.

Num ano onde DiCaprio participa em dois filmes com algumas semelhanças (ambos são embustes) acho este Shutter Island muito mais honesto e com mais supremacia que o filme de Nolan, o Inception.

Há cenas que só á segunda vez se notam como é o caso da mulher interrogada que lhe pede um copo de água e quando esta faz o gesto de beber... não tem copo nenhum na mão. Scorcese faz este plano tão rápido e magistralmente bem feito que passará desapercebido.
Visualmente é um filme belissimo, com alguns momentos de carinho pela imagem (a cena da casa a arder e ele com a mulher... que se desvanece), onde trata com delicadeza os elementos que coloca em cena (a cena dos filhos na água é dada a ver da mesma maneira instintiva que faria para ver - aqui e em muitos outras situações, a montagem é mesmo meticulosa e bem definida).

É um grande filme de Scorcese, bem melhor que o "The Departed" (que não me agradou nada - o original asiático deste remake, o "Infernal Affairs" deu-me muito mais impacto) e deveria ser com um filme assim como este, que ele mereceria o Oscar de melhor realizador, pois Shutter Island é um filme "inteiro", que consegue ainda aliar a arte do bom cinema com o factor comercial.

Shutter Island e Inception partilham, para mim, imensas semelhanças, além do "taaamm taaaam" na banda sonora durante o filme.
Comparando os dois: reparemos que no de Scorcese ele não precisa de uma personagem para nos obrigar a dar as instruções do que se passa e vai fazer a seguir. Tudo é sugerido com mestria pelo argumento e pelas imagens.
Por tudo isto, racionalmente tenho de achar que este Shutter Island é superior ao blockbuster de 2010.

Torceria por Shutter Island, que merecia e muito ser galardoado por melhor filme, melhor actor, melhor fotografia e melhor realizador.
Mas nem aos Oscars concorre, o que até custa acreditar...

12 comentários:

Loot disse...

Eu gosto do departed. Não digo que merecesse o Oscar, mas é um bom filme.

É filmado numa atmosfera diferente do Inffernail Affairs, no calor de Bosnton, ao contrário do azul metálico de Hong Kong.

Os filmes têm algumas diferenças de vamor, no departed é a Vera Farming, uma personagem feminina mais forte.

Mas não o prefiro ao Inffernail, até porque este tem Andy Lau, a sua personagem é infinitamente melhor que a do Damon (a personagem mesmo não tem a ver com os actores) e por isso o final deste toca-me muito mais.

Quanto ao Shutter, também o prefiro ao Inception.

Abraço

ArmPauloFer disse...

É assim prefiro, o Infernal Affairs ao The Departed.
Contudo, Departed está muito bem feito mas deveria ter feito uma carreira mais discreta (como está a acontecer injustamente com o Shutter Island).
Há quem diga que os remakes quando não acrescentam valor ao produto inicial são inúteis. Este remake de Scorcese, está bem feito, tem bom elenco... mas não me soube a nada perante o valor que tem o original asiático, que até ainda nem era assim tão antigo para ser refeito.

E há mais cinema e arte em Shutter Island do que no Inception, que é um bom blockbuster. Não consigo desligar um do outro por terem alguns atributos em sintonia.

Nuno Pereira disse...

Isto nos últimos dias foi só DiCaprio hein...

São dois filmes muito bons, mas o Inception é ainda assim muito melhor que o Shutter Island.

E já agora o Departed ganhou muitíssimo bem. Eu que não sou grande fã do Scorcese esse filme convenceu-me!

Dezito (André Sousa) disse...

Um grande exercício cinematográfico sem dúvida. E também concordo que haja mais cinema propriamente dito em Shutter Island do que em Inception, havendo mesmo várias referências a outros cineastas. E o Scorcese mais uma veza provar que sabe filmar o terror.

4/5

Abç

ArmPauloFer disse...

Nuno Pereira, compreendo a tua visão.
Inception como disse na review é um grande filme blockbuster com cérebro, argumento bem esgalhado, boas interpretações e visualmente potente a servir os conceitos complexos que tem. Gosto do filme sim... mas em simultaneo ao reflectir nele sinto-me traido e não me dá a sensação total de satisfação.

o Shutter Island... dá na totalidade e arrebata-me em pleno (e o momento final dúbio não o trai mas potencia-o).

Viste o Infernal Affairs? Aliás a trilogia desta saga?
O Departed... tudo muito bonito e bem feito, correctamente bem transposto para uma realidade socio-cultural diferente (e não deixa de ser um filme de mestre) mas perante o original é... mais um daqueles remakes inúteis. E acho que lhe darem o Oscar a um autor daqueles, mas que num momento tinha apresentado um remake jeitoso... e recebe o Oscar (e pela carreira toda). O Aviator era muito mais merecedor... e este Shutter igualmente. Mas da Academia não se pode esperar nada de justo, quando dão é pelo que fizeram antes mais aquele momento...

Nuno Pereira disse...

Isso é verdade acabaram por dar-lhes o Oscar por um filme não original :)

Ainda n vi os originais Asiáticos... dos ultimos que filmes dele até gostei mais do Gangs do que do Aviador.. U2 lálálá :)

Isto é só DiCaprio pá!!!

ArmPauloFer disse...

@ André Sousa: Exactamente. O Shutter transpira uma outra cinefilia mais artistica e o Inception potencia tudo o que um bom blockbuster deve ter, conseguindo ainda ter uma história dentro bem boa. Contudo, também tenho mixed feelings pelo filme e do Shutter senti ser recompensado.

@ Nuno Pereira: Também aprecio muito o Gangs e a canção dos U2 ainda mais. (Já aqui publiquei material sobre essa musica da OST).
Realmente, acabamos a debater vários filmes com o DiCaprio... bem visto!
Do Gangs saliento ainda que a própria Cameron Diaz esteve bem e o Daniel Day-Lewis esteve o máximo.

Curioso, que estive a reler a review e... puxa, pouco falo do filme. Assim que me predisponha, acrescentarei algumas frases mais.
Obrigado pelos comentários.

Nuno Pereira disse...

É sempre assim... e agora que puxaste a Cameron Diaz para a conversa ainda lá vamos chegar a "fatiota" vermelha que ela usou na Mascara... ehehe

ArmPauloFer disse...

Realmente, ficou no mapa apartir desse filme.

Acho-a uma interessante actriz e normalmente tenho sempre curiosidade em ver um filme onde ela participe.

Acho igualmente que ela tem cultivado um certo estilo, quando até já demonstrou que sabe estar em filmes mais exigentes. Ela se enveredasse por fazer papeis onde possa exibir personagens mais obscuras e em dilema... ela seria vista com outros olhos. Pois no The Box (grande actuação neste) e no Knight & Day (e mesmo nos Being John Malkovich, Vaniila Sky e no Gangs...) esteve bem e agradou-me o que fez. Mas sou suspeito...

E também deveria falar do Knight & Day aqui... practicamente tudo o que vi desde Julho/Agosto... nunca me senti com vontade de escrever sobre eles no blog, apesar de já ter comentado sobre montes deles por aí na blogoesfera (e às vezes até escrevo longos textos!).

Peter Gunn disse...

Eu na altura que estava a ver o filme (no DBD lá de casa) andei duas ou três vezes para trás para perceber como tinha sido possivel ao Scorcese deixar passar a cena do copo de água... só pensava como era possivel que um "mestre" deste calibre deixasse passar um erro de continuidade destes?

No final engoli em seco... e pensei cá pra mim... Grande FILME!

ArmPauloFer disse...

Exactamente!
É a recompensa que torna todas as cenas valiosas. Principalmente quando se repete e se passa a ver um outro filme... tal como quando ele chega e a senhora do jardim o fixe e lhe tenta transmitir algo.
É valiosissimo.

Algo que o Inception não consegue dar... uma boa recompensa!

Os Filmes de Frederico Daniel disse...

É absurdo não ter sido nomeado aos Oscars, mas pronto.

"Shutter Island": 5*

É um filme obrigatório. Com o seu desenrolar vamos descobrindo tudo e isso é-nos mostrado de uma forma magistral.

Cumprimentos, Frederico Daniel.