sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Cine-critica: Seeking a Friend for the End of the World (2012)

Seeking a Friend for the End of the World
"ATÉ QUE O FIM DO MUNDO NOS SEPARE"
2012


Realização e argumento:
Lorene Scafaria

Com: Steve Carell, Keira Knightley...

Sinopse (via Cinecartaz): "Um asteróide de dimensões gigantescas está em rota de colisão com a Terra, a uma velocidade de 112 km por segundo. A última missão para o destruir falhou e agora toda a Humanidade espera o seu fim, que chegará dentro de apenas três semanas.
Recém-divorciado, Dodge (Steve Carell), tal como todos os outros habitantes do planeta, está à espera do seu derradeiro momento. Consciente do facto de ter tido uma vida medíocre e a 21 dias de morrer, sente-se em plena crise existencial. É então que conhece Penny (Keira Knightley), a jovem vizinha inglesa que, apesar de nada ter em comum consigo, lhe parece ser o que mais se aproxima a um ombro amigo. Assim, sem saber muito bem o que fazer com os dias que lhes restam, os dois fazem um pacto de entreajuda. E vai ser nesse percurso de alguns dias apenas que este homem e esta mulher vão criar laços inesperados e alterar a sua maneira de estar no mundo."



Ora bem...

Antes de avançar para a critica, fica esta oportunidade para brincar com uma imagem do filme, realizando esta quote imaginária, verdadeiramente inocente e sem malícia (só mentes poluídas podem encontrar mais do que as palavras contam, eheheheh):
Ela: - Adorava experimentar essa tua gaita.
Não te importas que a tenha na minha boca? Deixas-me?

Ele: - Está bem! Claro que podes e com todo o gosto.
Vá, experimenta lá tocar que até a seguro para ti! Isso... isso...


Inesperadamente, sem o dar a parecer ou sem querer (querendo) esta obra lá se afigurou com sucesso como um belo filme sobre "o fim" do mundo. O fim de tudo!

O fim do mundo é a alavanca para uma jornada mais de redescoberta humanista do que se imaginaria perante a pressão desse fim que apenas o sentimos.
Adorei sobretudo as magnificas canções que passam ao longo do filme. Tem o tipo de póster aparentemente parvinho (daquele tipo que pouco ajuda a cativar para ver) e que apenas passa a fazer sentido quando o filme termina.

Não é uma comédia como até dá a parecer pelo póster mas sim uma dramédia, cheia de ironia, que questiona as relações humanas e que com isso culmina num bem construído romantismo. É o tipo de filme, que nos leva numa jornada de descobrimento e a sabe terminar muito bem!

Terminar o fim com um final de apaziguamento, em paz... e tudo se deve a este ser um filme com visão e sensibilidade feminina. Não é à toa que esta realizadora-autora, a Lorene Scafaria, que foi quem escreveu o argumento do magnífico "Nick And Norah Infinite Playlist", desta vez se aventura na realização pois nota-se que tinha claras intenções sobre que mão ter nesta sua criação, uma vez que consegue transmitir bastante mais com minuciosos pormenores e detalhes, quer de argumento quer desta vez de realização (a nivel visual, sonoro, etc tudo está a dizer/construir alguma coisa pelo filme).

Este filme indie só teria sido ainda melhor, não pela dupla de actores principais (apesar de a questionável Keyra muitas vezes fazer caretas horríveis que a determinado momento me fez questionar se ela não será mesmo assim nas horas vagas), mas pelas partes em que o filme tenta ser mais engraçadinho que ter graça pela corrosão, fosse mais dramático nos trilhos que nos leva a acompanhar e se abandonasse mais vezes a preocupação em ser continuamente doce na sua abordagem a este tema terrível, como o é, ao se saber que existem apenas dias para o completo fim do mundo.

Deve ser visto sem nenhuma expectativa, com tolerância... pode ser que vos acabe por surpreender como aqui me sucedeu.
Mas "ca granda" filme!

Classificação:
7/10
Bom

2 comentários:

O Narrador Subjectivo disse...

Quero ver, Steve Carrell :D

Arm Paulo Fer disse...

Olha que vale a pena ver! É uma boa surpresa.
Boas Festas!