sábado, 18 de abril de 2009

Música da Semana: Guns N' Roses "Chinese Democracy"

Esteve quase a sair há 12 anos atrás, para aí há uns 10, para aí há 5 anos... e nada. Um dia teríamos acesso ao elefante branco mas esse dia nunca chegava!

Até chegar o final de 2008...
14 anos depois lá chegou o disco prometido, o tal grande épico, o melhor e mais caro disco dos Guns n' Roses de sempre. Será mesmo assim?

Há uma certeza: é o mais caro álbum da história da música!
No entanto, a montanha apenas pariu um rato... uma utopia baptizada há já 14 anos de: Chinese Democracy.



Mas afinal qual é o problema? Nenhum... não fosse ele ter sido anunciado como aquele disco que ficaria para a história do rock e que nunca teria nada melhor que lhe fizesse frente. O disco que seria o épico que confirmaria a categoria da evolução da banda depois dos magnificos álbuns de originais "Appetite for Destruction" (1987), "G N' R Lies" (1988), "Use Your Illusion I" e "Use Your Illusion II" (ambos de 1991).

O tão aguardado "Chinese Democracy" (2008) até que tem bons momentos em faixas como "Chinese Democracy", "Better", "Sorry", "Catcher In The Rye", "Madagascar", "Street Of Dreams", "This i love" ou "There Was A Time".

video de Chinese Democracy de "Chinese Democracy" (2008)

No entanto, é na globalidade de todo o álbum que se constata que este não oferece tudo aquilo que prometeu, ao claramente se sentir que este é até bem inferior quando comparado com os lançados na época de ouro dos Guns.
As razões: uma longa gestação indecisa no rumo a tomar e principalmente porque nesse processo a banda da época de ouro (finais de 80 e inicios de 90) que nos fez vibrar tanto com o seu hard-rock, simplesmente desapareceu e só um membro ainda existe desse tempo, o granda-maluco do Axl Rose.
A verdade nua e crua é esta: sem o outro peso-pesado da banda, o Slash, Axl Rose não chega.

Ouvir Guns N' Roses sem a guitarra de Slash soa a som incompleto...falta mais génio ao som. É por aí que peca "Chinese democracy", que para disfarçar a ausência foram sobrepostas várias camadas de sons e malhas para dar uma sonoridade cheia, contudo sem alma nenhuma. "Chinese Democracy" se continuasse a ser apenas mais uma versão de hard-rock do passado, talvez se criticasse de outra maneira e até se os acusasse de não terem evoluido. O que acontece é que evoluiu, está mais para o metal que o som rockeiro e repleto das baladonas. Por vezes tem sons e rifs a soar familiares com algum material antigo mas o avançar das faixas acaba por contrariar isso.

Mas há que dar o braço a torcer que nele existe algo não quantificável. É afinal, o regresso de um mito, já totalmente irreconhecível, entorpecido e deturpado na sua chegada. Mas o mito continua vivo e tem novas faixas para consumirmos.

Quando uma banda se separa, o que fica ou aquele que mantém os ares da coisa, é sempre acusado de tudo. Cada novo registo é sempre escrutinado, para sermos nós a julgar, pelos resultados novos quem tem razão. Quem é aquele que detinha mais a mística da banda e o porquê de já nada ser igual.
Acho que acaba-se sempre por não dar valor ao que fica a aguentar os ataques todos (incluindo dos ex-membros) e continua a remar contra a maré, a carregar com o monstro às costas. Normalmente não fazem melhor que o passado, precisamente porque o passado já lá vai...

Aconteceu a tantas bandas como os Pink Floyd, os Genesis, The Cure, The Smiths, The Jam, Talking Heads, Led Zeppelin, Velvet Underground, etc... etc...
Algumas chegam a reunir-se temporáriamente mas a mística inicial nunca regressa igual.
Os Guns N' Roses são um banda dessas.

No momento é mais um projecto a solo de Axl Rose do que uma banda com o nome de outrora. Esse novo fôlego protagonizado só por Axl, lançou finalmente o seu tão aguardado registo.
O disco pode ser visto exactamente como um flop.
Nos tempos que correm, com tanto som por aí que até enjoa (pelo menos a mim), ouvir um disco destes é algo sempre positivo e até uma surpresa boa. Nunca vai substituir nenhum dos antigos mas que é um flop saboroso... lá isso é!

Axl Rose, na faixa "Sorry" deixa o mote da desculpa e está tudo dito!
"I'm sorry for you
Not sorry for me"



4 comentários:

Baby Skittles disse...

o que eu adoro esta banda....a minha infancia foi passada a ouvir a minha irma mais velha cantar estas musicas, toca-las, ouvi-las....qd dei por ela, tb eu era fan de guns

e sou!!!serei sempre...knock on heavens door, patience sweet child o'mine, welcome to the jungle...etc etc etc

mas ja n reconheço o axl, chinese democracy nao é de todo o estilo que o faz ser relembrado...que pena... ainda bem q ha you tube pra relembrarmos o old axel rose :))) e o slash a brilhar :)))

Anónimo disse...

texto sem pé nem cabeça e cheio de erros de portugues... maldita inclusão digital!

ArmPauloFer disse...

@ Baby Skittles: os Guns serão sempre míticos e essas que referes valem ouro, pois são faixas do melhor da banda (e há muitas mais "Estranged", "Coma", etc).
O Axl Rose deveria ter regressado em nome próprio... era assim que deveria ter sido.
Deixo um (muito atrasado) obrigado pelo comentário positivo e construtivo.

ArmPauloFer disse...

@ Anónimo: "cheio de erros de portugues"... ok, é uma chamada de atenção à minha desatenção (há muitos posts que são feitos a correr, com o pouco tempo que tenho de disponibilidade). É curioso que a chamar-me à atenção, também deu um erro... pois é. No melhor pano cai a nódoa.

Quanto ao resto do comentário... só demonstra que socialmente é um alienado no mundo digital e pior ainda que não sabe interpretar uma opinião livre como foi a minha, que apesar de tantos terem dito muito mal do álbum ainda assim o texto é uma demonstração de compaixão ao assinalar o lado positivo deste regresso.

Mas sei que nem perceberá o que explico. O carissimo "anónimo" deve ser tão ausente de compreensão... pfff... isto é perda de tempo!