terça-feira, 25 de março de 2008

Portishead: videos de All Mine e Only You

Ontem, iniciei a jornada de apresentar os Portishead. Iniciei por videos de "Dummy" (1994) e desta vez regresso, obviamente, com dois videos do álbum seguinte de 1997, intitulado simplesmente de "Portishead".


Este segundo álbum foi para a banda na altura um "parto" difícil, devido ao universo sonoro do género já totalmente recriado no disco original (parece até um catálogo de exemplos), considerado um dos mais importantes e marcantes do som da década de 90. A conjuntura também os havia empurrado ao limite pois, imensas bandas aventuravam-se com a suas próprias ideias na interpretação dos mundos trip-hop e eles terem sentido que deveriam fazer mais ainda e ir mais longe.

O disco resultou menos influente que o de 1994 mas não menos fascinante pois alargava ainda mais os universos sonoros da banda num cocktail de melancolia psicadélica em estilo vintage. É um álbum que se parece movimentar num espaço tridimensional (batidas a ecoar e vários sons subgraves posicionais) que apela muito aos sentidos pois entranha-se na nossa mente como uma instalação psico-sonora servindo-se de sons recorrentes duma vaga memória do cinema/tv via dos géneros sci-fi/spy, levando-os a uma nova depuração de sons que os identificamos como antigos sendo eles criados totalmente novos.
Foi bastante marcante para mim ver provada a aplicação do scratching como um instrumento e não como um efeito engraçado. Aliás, neste álbum por vezes Geoff Barrow recorre ao scratching como se fosse um solo de guitarra potenciando muito mais a subversão das regras. No hip-hop o scratching tornou-se um elemento "parolo" mas com os Portishead foi elevado a arte ao serviço da canção (consultem com mais atenção temas como Cowboys, Over, Only You ou Elysium).

All Mine


Only You


2 comentários:

Rodrigo disse...

Only You é a minha música favorita do Portishead, principalmente por causa dos scratches.

Só uma correção, os scratches são do Andy Smith. Recomendo vc procurar os 3 discos dele: The Document I, II e III.

ArmPauloFer disse...

Nem todos são do Andy Smith. Fica o registo sim mas o Barrow até ao vivo se o vê a fazer o fabuloso scratch na "Over".