quinta-feira, 4 de novembro de 2010

The Joker no cinema: é injusto comparar as diferentes encarnações do inimigo de Batman


O já falecido Heath Ledger, encarnou o Joker de uma forma visceral e deu-nos uma abordagem da personagem memorável. Toda a sua performance durante o filme "The Dark Knight", a encarnar um mitico vilão da banda-desenhada, é algo pouco visto em cinema, e que só está ao alcance de grandes actores. Inesquecível!

São actuações assim que merecem Óscares apesar de a Academia não ver nos filmes com origens na BD como dignos de tão alta distinção. Perante o segundo Batman de Christopher Nolan, desta vez tiveram mesmo de fazer uma excepção a essa regra... e o falecido actor Heath Ledger, ganharia assim um merecido Óscar póstumo por melhor actor secundário. 

Heath Ledger, oferece-nos uma performance que rouba aos outros actores todas as cenas em que aparece. É carismático e abundante em trejeitos vocais e corporais. A forma como fala, mastiga as palavras, os olhares ora penetrantes ora friamente enternecedores, a forma como movimenta os olhos para o vazio, como anda por vezes curvado outras vezes inclinado, as suas expressões... tudo nos proporcionou com uma actuação irrepreensível, demoníaca, perturbante mas que nos leva a acreditar neste Joker intensamente. Fez-me recordar a intensidade de Anthony Hopkins quando vi pela primeira vez o "Silence of the lambs", a interpretar o memorável papel de Hannibal Lecter.
O Joker de Heath Ledger é muito bom para este filme e serve-nos um verdadeiro oposto de Batman... mas é injusto dizer que a sua actuação é melhor que a de Jack Nicholson no "Batman" (1989) de Tim Burton.

Have you ever danced with the devil in the pale moonlight?

Nicholson representou também memorávelmente mas num estilo que servia com perfeição a fantasia de Burton. Da mesma forma que Ceasar Romero servia de forma cómica as aventuras da série de TV e filme dos anos 60, que eram filmes muito mais cómicos e icónicos adequados a esse tempo.
Perante a nossa época e perante o estilo do filme de Nolan, o Joker de Heath Ledger está perfeito. No entanto, este Joker não ficaria bem, ou até mesmo destoaria nos filmes de 1989 ou dos anos 60.


A tendência em se dizer que Ledger é melhor que Nicholson é grande mas não é justa. Nicholson foi abismal em 1989, perante até muito mais reduzidas influências audiovisuais. Nolan e Ledger já tinham muitas mais bases para se apropriarem, incluindo a de Jack Nicholson.
Os tempos evoluiram e estes Joker's refletem essa evolução. Portanto, torna-se assim até injusto comparar as diferentes encarnações do inimigo de Batman nos filmes (e não só).


2 comentários:

António disse...

Gostei do teu artigo!
Mas há uma diferença entre dos Joker's, o Joker dos anos 90 nasceu de fruto dos químicos e o outro apareceu como está escrita na história dos quadradinhos.
Ele apenas apareceu na rua e mais tarde é que tornou o inimigo nº1 do Batman

aPAULOf disse...

É verdade sim que a origem do Joker não é muito clara mas segundo sempre soube o incógnito homem que era antes de ser The Joker, havia caido em quimicos e ficado sem cor (branco), a cara escanacarada (daí o sorriso permante), com os pelos verdes e... enlouqueceu.
Contudo a aparição dele na BD é já como Joker e só depois se foi sabendo mais sobre ele.
Pensando bem entre os dois filmes, o de Burton e Nolan, ambos não falharam.
Acho que Burton teve mais pontaria e ainda o ligou ao assassinato dos Wayne - é obra! No de Nolan ele pintar-se para mim até foi "novo".