sexta-feira, 31 de Julho de 2009

Cinedupla: Punisher War Zone + XO:Wolverine

Desta vez, temos uma sessão Marvel!

Se tivéssemos de arrancar do universo Marvel, personagens que são autênticos "bad-ass-guys", imediatamente saltaria á ideia o Wolverine com as suas garras afiadas e mau temperamento. É o mais famoso de todos desde sempre mas o universo Marvel não se fica só por este, pois existem muitos mais e também se devem juntar á categoria a grande maioria dos vilões que tinham esse papel.

Agora, do lado dos super-heróis, essa componente era de certa forma subversiva, pois alguns poderiam perfeitamente serem vistos mais como vilões do que heróis. Digamos que faziam as coisas á sua maneira e atingiam por outros métodos os mesmos fins que os típicos bons modelos de super-heróis.

Portanto, há mais alguns para além do célebre Wolverine... tais como Luke Cage, Nick Fury, o Pantera Negra, até mesmo o Mestre do Kung-Fu (também conhecido por Shang-Chi), o Hulk (o inicial)... e de entre muitos outros, o mais interessante: o The Punisher /Justiceiro.

E é precisamente pelos dois citados, o primeiro e o último, que recentemente a Marvel se dedicou a lançar em filmes.
Wolverine e Punisher, são dois autênticos anti-heróis e obviamente material para filmes!


Punisher - War Zone (2008)
A Marvel decidiu tomar as rédeas sobre esta personagem porque viu que as duas adaptações até aqui não estavam á altura da categoria invulgar que a personagem sempre demonstrou ter e que tanto era do agrado dos leitores da BD do Justiceiro.

Desta vez somos convidados pela Marvel a uma cidade em estado caótico e nela, encontramos o Punisher num estado quase selvagem, de alguém que não olha a meios para aniquilar todos aqueles que escapam à lei.

O termo "War Zone" representa isso mesmo, Punisher está no centro de uma guerra a criminosos mafiosos, e no centro destes surge um dos vilões da BD, o JigSaw/Retalho, que faz lembrar um Joker muito fraquinho -há semelhanças entre o conceito de Punisher com o de Batman- (aliás tudo é fraquito no filme) e protegidos por imensos bandos. Obviamente que, todos sucumbem ao seu rápido gatilho numa grande carnificina total. Sempre da forma mais brutal e chacinante possível.

Punisher sempre foi na sua essência alguém que procurava acabar com o os criminosos e corruptos que a lei e a justiça não conseguia fazer frente e muito especialmente quando estes se metiam com gente indefesa. É nesta génese e premissas que o actual Punisher se movimenta e não própriamente regressar ao tema da vingança dos anteriores (se bem que punir os maus é satisfaz a sede insaciável de mais vingança).



Infelizmente, tudo é desbaratado num ambiente que mais parece estarmos a assistir a um videojogo do estilo shoot-em-up, brutal, inócuo e sem concessões. E ainda bem para o Punisher que ninguém tem pontaria por lá (o cliché habitual)...

Ray Stevenson, é o actor que veio da série "Roma/Rome" para incarnar, no mesmo estilo da série, um vigilante ainda mais bruto e artilhado até aos dentes com um arsenal, que envergonharia qualquer militar em plena guerra. Neste caso, Ray Stevenson, faz um Frank Castle quase desumano e dá-nos um Punisher brutamontes e impiedoso. Pessoalmente, acho que ele não mostrou ter nem aparência e nem o estilo para semelhante personagem. Quem aprecia o resultado pelo trailer (que sugere ser um filme bem melhor do que é) dirá que o actor está bem no papel mas depois do filme estar visto, de não termos ganho grande empatia pelo anti-herói, a sensação é de ele ter sido mal escolhido mesmo.


Ahh... a vitima indefesa de serviço, é interpretada pela actriz da série Dexter (é a namorada de Dexter), a Julie Benz, que depois de ser também motivo de protecção de Stallone no "Rambo 4", volta a ver-se novamente no meio de uma guerra. Há aqui um padrão: os papeis dela andam actualmente associados a killers...


Comparando aos outros filmes anteriores...

A verdade, depois de visto este filme, é que não é desta vez que temos um Punisher como deve ser e isso deixa a sensação que talvez seja a ultima tentativa de adaptação para cinema.

Afinal, fez-se uma tentativa nos anos 80 e na actual década já se conta em mais duas bem diferentes, a de 2004 e a de 2008. A minha conclusão é a de que todos têm alguns elementos correctos mas só que dispersos pelos 3 filmes. Mesmo assim a os resultados finais é não se fez ainda um bom filme sequer.

Dos 3 actores, Dolph Lundgreen pareceu-me o mais convincente na sua amargura e desejo insaciável de vingança, mostrando um Punisher que mesmo diferente da BD, se revela ainda humano com as suas falhas mas levando a bom porto a sua vendetta pessoal. Mesmo assim o filme resultou algo tonto e de má categoria, pela produção de segunda linha. Não deixou grande memória...

Do filme de 2004, o mais apreciável é a produção (mais limpinha) de todo o filme, que transmite uma aura de filme com classe e não um género qualquer xunga de série B (ou Z) e o facto de o Punisher visualmente estar mais próximo da BD que qualquer outro.
No entanto, Thomas Jane deu um carisma muito mole a este "bad-ass guy", facto imperdoável que junto das muitas cenas humoristicas fazem deslocar a personagem. Igualmente também os vilões de serviço neste filme são muito banais também. As intenções desta produção eram boas ao tentar por no mapa do cinema mais um super-herói mas o resultado mostrou-se dúbio: nem é mau e nem é bom... mas pensando bem, é dos 3 o que mais gosto e consegue até ao momento ser a melhor incursão desta personagem pelo cinema.

Ver mais sobre as anteriores produções no artigo:
Novos filmes a estrear em 2008: Punisher War Zone

Agora esta nova versão em filme de finais de 2008, insere-se na categoria dos filmes B (xungas), com uma narrativa banal e até desinteressante. Vê-se enquanto dá mas é só isso...



X-Men Origins: Wolverine (2009)
Estamos de volta ao universo X-Men mas com novas personagens, algumas muito esperadas até. Com este filme, tenta-se fazer o que as BD's nunca conseguiram estabelecer com coerência. Novamente se falha a contar o surgimento de Wolverine não porque o filme siga um mau caminho ou explique mal mas sim porque existem várias versões em choque da origem muito misteriosa deste mutante.
O filme percorre alguns dos pontos principais e parte daí a acrescentar outras situações novas.

Sempre se soube que o poder mutante de Wolverine, é além das garras (a inicio de osso -muito correcto nisso o filme), ser principalmente a auto-preservação do seu organismo (que se cura, sara e resiste a tudo -as garras quando saem rasgavam-no por dentro para se libertarem e o organismo repunha-se no imediato).

Esse facto levou sempre a crer que ele poderia ser um dos mais antigos mutantes até, pois a sua "mutação" mantém-no sempre rejuvenescido. Wolverine poderia realmente ter mais de 100 anos!

Contudo na BD, ele surgiu aparentemente (e inteligentemente) do nada e com um passado que o próprio desconhecia. Se a personagem já era carismática, descobrir mais sobre o seu passado foi sempre aliciante e isso jogava imenso a favor do encanto sobre ele.
É isso que o filme nos tenta dar, ao tentar juntar vários detalhes do passado de Wolverine, reconstruindo os factos numa linha temporal acessível para se compreender bem. Afinal, o Wolverine já existia antes dos próprios X-Men serem formados por Charles Xavier. Antes de todos eles por sinal pois ele surgiu como um dos elementos da Arma-X.

Este filme, abreviadamente "XO:W", consegue ainda servir de excelente prequela à saga de filmes X-Men, que conta já com 3 feitos. E que bem feitos foram!
Especialmente os dois primeiros de Brian Synger (com destaque para X2, o segundo da saga), filmes que fazem pensar por terem muitos subtextos em simultãneo (permite fazer-se várias interpretações). Já o X3 é mais trapalhão e acelerado visualmente, sendo que sobressai dele o facto positivo de terem sido incluídos alguns elementos clássicos da BD antiga (a sala de Combate para treinos, Colossus a arremessar Wolverine pelo ar como uma bola, temos um vislumbre dos Sentinelas, temos algumas personagens clássicas também como o Fera, o Anjo e o Homem do Gelo em estado completo. Só falhou em transpor a história da Fénix Negra de forma tão banal.

Digamos que "XO:W" abre caminho para uma série de outras origens. E a julgar pela forma como funciona "XO:W", são várias as origens que nos são dadas em simultâneo. Curiosamente é por aí que achei a maior traição deste filme. Afinal a origem de Wolverine só serviu de motivo para se desfilarem mais mutantes, alguns com futuro importante mas ainda adolescentes (Ciclope por ex).
Com tantos mutantes a surgirem no ecrãn quase que a história de Wolverine passa a razão secundária do filme, e nota-se igualmente que o filme inteiro não atingiu outros factos do passado. Um dos mais gritantes é a ausência da sua passagem pelo Japão onde afinaria a sua arte furtiva de movimentos e o dominio completo dos seus sentidos com o olfacto, com os ninjas e onde viria a conhecer a Elektra.
Também falta na sua passagem pelo Canadá o encontro com a equipa Tropa Alfa. Mas compreende-se a decisão pois se já se fala numa continuação para um XO:W2... terá de haver histórias para abordar.

Agora não concordo com o facto de terem relacionado como sendo irmãos, Wolverine e o Dentes-de-Sabre. E esta será ainda por cima a maior falha da saga no conjunto de filmes. Afinal, Sabertooth já aparecia em X1 e muito diferente (mas mais fiel á BD) e com isso as personagens não se conheciam. Outro facto é o próprio Sabertooth também resistir ao tempo. Como? Estragaram tudo.

Depois há ainda a têndência de meter nos filmes personagens que são muito recentes. A maior parte dos que aparecem no filme desconhecia. Nunca apareceram na BD Há 25 anos atrás ou mais. O Gambit conhecia vagamente mas não o John Wraith (ou Kestrel), Emma Frost ou o Deadpool (este é muito famoso mas não do meu tempo). Reparemos que o mesmo aconteceu no Homem-Aranha 3, ao enfiarem o vilão "Venom" que ficou estranho no sentido que a trilogia tinha, quando o vilão que merecia ter surgido era o "Abutre" um clássico arqui-inimigo do Aranha.

Em jeito de conclusão, "XO:W" é um filme porreiro, que liga bem com a trilogia existente e como filme de acção tem um ritmo imparável. Esperava mais do filme mas mesmo é bom de ver e está ao nível do X3.

Saiba mais sobre Wolverine noutros artigos. Clique aqui.

2 comentários:

joaot disse...

uma nota, no final do filme do wolverine, ele apanha com uma bala que lhe faz perder a memoria, e portanto, é talvez por isso que nao se recorde no primeiro filme dos x-men, do irmao.

ArmPauloFerreira disse...

@ Joaot: Sim eu sei disso... o Wolverine não possui as memórias do seu passado. No filme é com um tiro muito especial para lhe apagar o cérebro... é por isso que ele não se recorda de onde estava e o que tinha acontecido.

Mas ao irmão deveria de lhe ter acontecido a mesma coisas mas aí... nada. Outro facto é que, segundo o que sei , o sabertooth não regenerava como o Wolverine, portanto ele não deveria de aguentar assim tantos anos. se bem que no X1 o corpo dele já estava correctamente cheio de pelo, facto no XO:W só tinha algum pelo ainda.

Na teoria o Wolverine poderá ser até quase-imortal... o Sabertooth não.