domingo, 5 de outubro de 2008

O som Enigma: discografia de 1990 a 2006 (parte 2)

(continuação da parte 1 deste artigo)

Os álbuns Enigma de 1990 a 2006...


"MCMXC a.D." (1990) foi um álbum marcante!
Não só pelo original uso do canto gregoriano como pelo seu conceito. Na verdade este é um álbum conceptual, uma viagem de ±45 minutos pelos meandros da solidão, tristeza e fé contrastado pelas insinuações de luxúria e pecado, como se o Céu e o Inferno pudessem conviver.

É um álbum magnífico e ainda hoje surpreendente (apesar das batidas já se encontrarem datadas). Sonoramente marcado pelos ritmos house apresenta vários momentos daquilo que hoje em dia se denomina de Chill Out. Facilmente se podem destacar faixas como "Sadeness (part 1)", "Find Love (Principles of lust)", "Callas Went Way" (fabuloso tema com um sample de ópera de Maria Callas), "Mea Culpa" ou "The Rivers Of Belief"... mas a experiência de o ouvir totalmente como um todo, visto ser um álbum conceptual, engrandece o sentimento da audição. O inicio do disco contém na primeira faixa "The Voice Of Enigma", instruções proferidas pela voz de Sandra Cretu (a esposa de M. Cretu) de forma quase hipnotizante (para relaxarmos e nos preparamos para a audição como se fosse um acontecimento).

Graficamente, a arte original potenciada pela dimensão em vinyl, era impressionante pelos seus motivos religiosos (por fora, no interior e pelo invólucro do disco). Continha no seu interior o famoso poema de William Blake "The path of excess leads to the tower of wisdom..." juntamente com outras citações religiosas.

Um enorme sucesso comercial, que originou a uma re-edição em 1991 (na foto), limitada e extendida com algumas versões só encontradas em maxi-single. Na verdade, pouco limitada porque é única versão que se encontra nos nossos dias, nas lojas...

Enigma "Sadeness" (1990)



"The Cross Of Changes", foi o álbum que se lhe seguiu em 1993 e de novo M. Cretu conseguiu um novo feito. Desta vez trocava os cantos religiosos pelos cantos hindus, indianos e sonoramente ambientado nos mundos do oriente. Novamente um álbum conceptual, que expande as coordenadas e estilo do primeiro registo numa espécie de viagem oriental, como se dum épico se tratasse. Fazia a ponte com o primeiro e o facto mais marcante é começar com a "vinheta" sonora "The Voice of Enigma"do anterior registo. Este som tornar-se-ia na marca Enigma na abertura de todos os álbuns.
"The Cross Of Changes" é sonoramente mais rico e complexo (imensas camadas sonoras), com uso de secções rítmicas influenciadas pelos instrumentos orientais (trabalhados elctronicamente) o que o torna sonoramente não datado e intemporal.
É talvez o álbum mais denso que Cretu criou até hoje e também o mais admirável. "Age Of Loneliness (Carly's Song)" serviu de banda sonora ao filme "Sliver" (com Sharon Stone) e muitas vezes é repescado para a publicidade, principalmente pelo mega-hit "Return To Innocence" (também célebre pelo magnifico video em retrocesso), incluindo ainda a "The Eyes Of Truth" muito usada na promoção de filmes, tais como o "Matrix" de 1999.

Enigma "Return To Innocence" (1993)



"Le roi est mort, vive le roi !" de 1996, seguiu-se mas teve uma carreira mais discreta e assinala o inicio do fraco sucesso comercial de Enigma.
No fundo pareceu que Cretu já tinha explorado tudo e apenas se limitou a fundir num só álbum o que apresentou nos dois álbuns de 1990 e 1993 e adicionar mais elementos.
No entanto, neste álbum Cretu usou algumas técnicas de estúdio muito curiosas, tais como frases e sons revertidos e uma maior tridimensionalidade no som.
Tem momentos banais a conviver com excelentes temas como "Morphing Thru Time", "Beyond The Invisible", "Prism Of Life" e a soberba "The Child In Us" (um dos melhores temas Enigma de sempre).

Enigma "Beyond The Invisible" (1996)



Em 2000, ressurge com o "The Screen Behind The Mirror".
Este álbum continua a carregar todas as marcas Enigma adicionando um novo elemento pois é também influenciado por samples de "Carmina Burana" de Carl Orff em quatro faixas do álbum. O destaque principal neste registo recai sobre "Gravity of Love”, “Push the Limits” ou "Between Mind & Heart" como as mais interessantes.

De referir que "Gravity of Love” é uma canção electrónica magnífica (outra das melhores de sempre), arraçada de trip-hop (uma novidade no som Enigma) e que é potenciada ainda mais pelo seu video, que é visualmente ousado e cativante, ambientado em ambientes boémios de luxúria e orgiásticos. Ficou-me sempre associado este video ao imaginário do derradeiro filme de Stanly Kubrick "Eyes Wide Shut / De Olhos Bem Fechados" (1999). Na verdade o videoclip parece um resumo do motivo principal da viagem pelo mundo obscuro da personagem de Tom Cruise devido ao mal-entendido com a personagem de Nicole Kidman.

Enigma "Gravity of Love” (2000)



Na verdade a relevãncia de Enigma esfumara-se... e para ajudar a re-interessar nada melhor que editar a colectânea "Love Sensuality Devotion - The Greatest Hits" (2001), seguido de um disco de algumas remisturas dos temas do best of e ainda um DVD com os videos dos Enigma.
Mesmo sendo uma colectânea, além dos grandes êxitos, não deixa de ter pontos interessantes para os fãs, uma vez que apresenta algumas das canções em novos "edits" que as tornam melhores que as originais (especificamente as novas versões de "Push The Limits" e "T.N.T. For The Brain") e também, para além de mais uma nova boa introdução ("The Landing"), uma nova música "Turn Around", muito cativante.

Michael Cretu, percebe que os tempos desta nova década são outros e decide assim repensar o caminho do projecto, para isso tenta renovar todo o som Enigma, incluindo perder a ligação com os álbuns anteriores, abrangendo novas sonoridades mais electrónica e atmosféricas.

Em 2003, surge então o choque sonoro no projecto Enigma com "Voyageur".
Novo som mais dançável (talvez influenciado pelas remisturas do best of) tem nas faixas "Voyageur", "Boum Boum", "Look Of Today" e "Following The Sun" o seu maior apelo de interesse. Com um som totalmente fresco e dançável, reconheço que depois do choque se tornou num dos álbuns que mais prazer dá ouvir. 

Em 2006, regressa com nova aventura, "A Posteriori", desta vez em nova experiência sonora e mais radical, ambientada nos meandros do trance e chill-out downtempo. "Feel Me Heaven", "The Alchemist" e principalmente a "Goodbye Milky Way" são os temas mais interessantes.

Agora surge novamente em 2008 com o "Seven Lives Many Faces", já abordado na primeira parte deste artigo.


6 comentários:

Peter Gunn disse...

Gostei bastante deste post sobre os Enigma :)

Sempre foi um dos meus projectos favoritos sendo que realmente tens bastante razão quando dizes que o 3º album foi o inicio do fim do sucesso. A qualidade foi decrescendo gradualmente, fruto de uma falta de ideias gritante.
Mas é complicado manter originalidade quando temos tantas outras pessoas a copiar o nosso trabalho no mundo inteiro não é?

Hoje em dia são às centenas os projectos que podem ser encontrados com o denominado som "Chill out"... assim sendo como é que se pode criar algo de novo hoje em dia? Espero que este novo album me traga essa resposta ;)

Gostei da referência à faixa dos Equinox (Grande memória!)

So faltou dizeres que a Sandra foi uma das principais vozes dos Enigma para além das faixas de inicio e que o Michal Cretu teve um projecto de dance music em meados dos anos 90 denominado Trance Atlantic Air Waves =)

De resto excelente post ;)

Um abraço

ArmPauloFerreira disse...

@ Peter Gunn: Obrigado pela simpatia e por teres dedicado umas palavras ao este artigo quase exaustivo sobre o projecto Enigma.
Parece que já não há quem goste de Enigma... ou que até fica mal falar neste projecto. É música também como qualquer outro projecto...

Agora retroceder no passado... sim a Sandra foi uma das principais vocalistas dos Enigma ao inicio do projecto (depois só colaborou). Apanhei o ainda Michael Cretu a solo pela faixa "Samurai" num maxi-single que rodava nas festas de garagem de amigos (era diferente a atmosfera dele e a long version era demais).
Os Equinox foram um one-hit-wonder que nunca mais me sairam da cabeça. Só tenho pena de não ter nada deles para meter no iTunes... A "So Sad" e muitas outras do álbum de estreia dos Gregorian com as OZ é muito bom. Foi pena anos depois, os Gregorian terem enveredado pela carreira de fazerem apenas simples covers de hits.

E sim vale sempre a pena ouvir o mais recente, pelo menos as que destaquei...

Rui disse...

Parabéns pelo post e pela quantidade de informações. Ou temos fan ou foram recolhas exaustivas feitas para esta notícia. Eu sou fan e coleccionador do projecto, de Cretu, de Sandra e da sua ex-banda Arabesque. Sem esquecer Moti Special e tantos artistas com quem Cretu trabalhou.

ArmPauloFerreira disse...

Fã de Enigma é claro... com os discos todos (tenho até o 1º em vinyl e o maxi-single mea culpa).
E tudo começou pelo Samurai (did you ever dream)...

alemao disse...

Adorei todo o informativo sobre a banda e os CD"s parabens ao criador.

ArmPauloFerreira disse...

Agradeço a gentileza do seu comentário e da visita.
Este é um artigo de 2 sobre os Enigma e semelhantes. Ainda bem que apreciam... na altura até imaginei que o blog iria sofrer por ter escolhido os Enigma. Mas como o que interessa é o que nos move... acaba este duplo artigo por ser dos mais visitados. Apenas fiz o que sei como fã do projecto de M.Cretu.
Obrigado a todos!